País

Eduardo Cabrita pressionou a Proteção Civil para elogiar as golas antifumo

Loading...

É mais um dado na polémica das golas para incêndio e que eram feitas de um material inflamável.

Eduardo Cabrita pressionou a Proteção Civil para elogiar as golas antifumo, que acabaram a ser investigadas pelo Ministério Público. O ex-ministro da Administração Interna terá pedido a Mourato Nunes, ex-líder da Proteção Civil, para justificar a qualidade do material.

É mais um dado na polémica da história das golas compradas para situações de incêndio e que eram feitas de poliéster, um material inflamável.

O Jornal de Notícias avança que o ex-ministro pressionou Mourato Nunes para justificar a qualidade daquele material e para explicar a situação. Em causa estavam irregularidades na compra das golas antifumo que foram investigadas.

Faziam parte de um pacote de ações que a Proteção Civil quis promover junto das populações depois dos fogos de 2017.

Na acusação, a que a SIC teve acesso, o Ministério Público diz que a maior parte dos contratos foram feitos à margem da lei, com consulta prévia a três empresas, quando se sabia que duas delas nunca iriam ganhar.

O ex-secretário de Estado da Proteção Civil, Artur Neves, e Mourato Nunes, antigo Presidente da Autoridade Nacional de Proteção Civil, estão entre os 19 acusados do chamado processo das golas antifogo.

O Ministério Público diz ter encontrado crimes de fraude na obtenção de subsídio, participação económica em negócio e abuso de poder.

Artur Neves demitiu-se em setembro de 2019, no dia das buscas. Mourato Nunes permaneceu no cargo mais um ano, sem dar explicações sobre o caso.

Últimas Notícias
Mais Vistos