País

IL quer audição urgente sobre ciberataque às Forças Armadas

IL quer audição urgente sobre ciberataque às Forças Armadas
NurPhoto/Getty Imagens
Iniciativa Liberal quer ouvir a ministra da Defesa, o chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, a secretária-geral do Sistema de Informações da República, embaixadora Graça Mira Gomes, e o diretor-geral do Gabinete Nacional de Segurança.

A Iniciativa Liberal entregou esta quinta-feira um requerimento para ouvir a Ministra da Defesa, Helena Carreiras, e o chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA) sobre o ciberataque que levou à exfiltração de documentos classificados da NATO.

Os liberais querem também ouvir na comissão parlamentar de Defesa Nacional, com caráter de urgência, a secretária-geral do Sistema de Informações da República, embaixadora Graça Mira Gomes, e o diretor-geral do Gabinete Nacional de Segurança, António Gameiro Marques.

Na exposição de motivos do requerimento os deputados da IL dizem ter sido "surpreendidos com a notícia de que dados e documentos confidenciais portugueses da e sobre a NATO estão a ser transacionados na 'darkweb'".

"Da mesma decorrem várias considerações, a primeira das quais relacionada com a quebra de segurança e a incapacidade de deteção da mesma, pois, segundo foi noticiado, o Governo, através do primeiro-ministro, só teve conhecimento do que se passava depois de ter sido informado pelos Serviços de Informações norte-americanos", lê-se no documento.

Para a IL, "outras questões emergem, questões essas que envolvem dimensões endógenas e exógenas, relativamente à amplitude de danos nas entidades e serviços de defesa e de segurança portugueses e aos efeitos de descredibilização de Portugal junto da Aliança Atlântica".

"Assim, sendo inquestionável o gravoso cenário resultante desta ocorrência e as implicações inerentes à mesma, é imperioso que seja a tutela a prestar as devidas explicações sobre o ponto da situação e com a maior urgência", sustentam.

A IL pede ainda ao presidente da comissão parlamentar de Defesa, o socialista Marcos Perestrello, que "interceda para que estas audições sejam agendadas o mais breve possível".

O Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA) foi alvo de um "ciberataque prolongado e sem precedentes", que teve como resultado a exfiltração de documentos classificados da NATO, noticiou o Diário de Notícias.

Segundo o mesmo jornal, o Governo português foi informado pelos serviços de informações norte-americanos, opor intermédio da embaixada em Lisboa, através de uma comunicação que terá sido feita diretamente ao primeiro-ministro, António Costa, em agosto passado.

Este caso é considerado de "extrema gravidade" e terão sido os ciberespiões da Inteligência norte-americana a detetar "à venda na darkweb centenas de documentos enviados pela NATO a Portugal, classificados como secretos e confidenciais".

Contactado pela agência Lusa, o gabinete do primeiro-ministro, que está a acompanhar diretamente este caso, referiu que, para já, "nada mais tem a adiantar" face àquilo que transmitiu ao Diário de Notícias sobre este caso.

"O Governo pode garantir que o Ministério da Defesa Nacional e as Forças Armadas trabalham diariamente para que a credibilidade de Portugal, como membro fundador da Aliança Atlântica, permaneça intacta", referiu fonte do gabinete de António Costa.

Adianta-se, igualmente, que "a troca de informação entre aliados em matéria de segurança da Informação é permanente nos planos bilateral e multilateral".

"Sempre que existe uma suspeita de comprometimento de cibersegurança de redes de sistema de informação, a situação é extensamente analisada e são implementados todos os procedimentos que visem o reforço da sensibilização em cibersegurança e do correto manuseamento de informação para fazer face a novas tipologias de ameaça. Se, e quando, se confirma um comprometimento de segurança, a subsequente averiguação sobre se existiu responsabilidade disciplinar e/ou criminal automaticamente determina a adoção dos procedimentos adequados", acrescenta-se na resposta dada ao Diário de Notícias.

Últimas Notícias
Mais Vistos