País

Jerónimo de Sousa pediu desculpa aos camaradas em entrevista, antecipando a saída

Jerónimo de Sousa pediu desculpa aos camaradas em entrevista, antecipando a saída

O líder do partido tinha dito, em entrevista, que "a lei da vida não perdoa a ninguém".

O secretário-geral do PCP cessante, Jerónimo de Sousa, afirmou há 15 dias que não iria esperar por qualquer reparo crítico relativamente à idade para deixar o cargo, numa entrevista à Lusa em que deixou implícita a sua saída.

"Isto é quase um desabafo pessoal, os meus camaradas perdoar-me-ão, mas tive sempre esta ideia: ninguém é insubstituível", vincou um Jerónimo de Sousa emocionado, numa entrevista à agência Lusa a propósito da conferência que irá este mês reenquadrar os objetivos do partido para o futuro.

Com 75 anos e quase 18 como secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa escusou-se na entrevista a indicar uma data concreta para a substituição, mas avisou que "a lei da vida não perdoa a ninguém".

Antes de precisar que "o fator determinante" será a avaliação das "condições físicas e anímicas para continuar a fazer 2.000 quilómetros num fim de semana", o dirigente comunista garantiu que "a direção do partido olhará, acompanhará, verificará" a passagem do testemunho.

"Eu, no caso concreto, tenho a ideia de que a vida tem um desfecho e que não deveria, enfim, esperar por qualquer reparo crítico em relação à idade", admitiu, aproveitando para esclarecer logo de seguida: "aqui o fator fundamental é de facto a saúde".

"A saúde é um elemento central, por muitos planos, programas, ideais, sonhos, tudo isso que a vida comporta, há uma coisa que é implacável, que é a lei da vida", afirmou, assegurando que daria a sua contribuição quando o PCP considerasse "chegado o momento de uma substituição, de forma tranquila, mantendo a coesão do partido".

Jerónimo prometeu continuar a desenvolver o seu trabalho, inclusivamente o de participar na escolha do seu sucessor.

Daí "ser eu também a decidir e a propor essas possíveis alterações do secretário-geral. Podíamos estar a falar da Comissão Política, do Secretariado, do próprio Comité Central", realçou.

"Vou continuar a trabalhar, a dar o meu melhor, mas qualquer decisão tem a minha participação", sublinhou, advertindo logo a seguir: "No meu partido não existem militantes de diversas categorias, existem militantes com diversas responsabilidades".

E a responsabilidade é "muito exigente", pelo que "neste momento o fator determinante está a ser de facto as condições físicas e anímicas para continuar a fazer 2.000 quilómetros num fim de semana", reiterou Jerónimo de Sousa.

Últimas Notícias
Mais Vistos