País

Suspeita de matar filho em Santo André presente a Tribunal de Setúbal na terça-feira

Suspeita de matar filho em Santo André presente a Tribunal de Setúbal na terça-feira
Canva

O Ministério Público abriu um inquérito ao presumível homicídio do menino.

A mulher suspeita do homicídio do filho, um menino de um ano e meio, em Vila Nova de Santo André, Santiago do Cacém, vai ser presente no Tribunal de Setúbal na terça-feira, revelou fonte policial.

Contactada pela agência Lusa, a mesma fonte, que indicou que a mulher tem 23 anos, disse que o primeiro interrogatório judicial deverá começar "previsivelmente durante a tarde" de terça-feira.

O menino apresentava "vários ferimentos provocados por arma branca", acrescentou a mesma fonte, contactada ao final da tarde.

Também o Ministério Público abriu um inquérito ao presumível homicídio do menino de ano e meio, ocorrido hoje em Vila Nova de Santo André, no concelho de Santiago do Cacém (Setúbal), do qual a mãe é suspeita.

Questionada pela agência Lusa através de correio eletrónico, fonte da Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou a abertura de um inquérito judicial para apurar as circunstâncias da morte da criança, ocorrida esta madrugada.

"Confirma-se a instauração de inquérito relacionado com a matéria referida", pode ler-se na resposta da PGR.

Fonte da GNR disse à Lusa, na manhã desta segunda-feira, que a mulher, de nacionalidade brasileira, é suspeita de ter matado o filho, no interior da habitação onde residiam, no Bairro do Pinhal, na cidade de Vila Nova de Santo André, com recurso a "uma arma branca".

A Polícia Judiciária (PJ), responsável pela investigação do caso, efetuou, ao longo do dia desta segunda-feira, a inspeção judiciária do local do crime.

Também contactada pela Lusa, a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) de Santiago do Cacém, esclareceu que até esta segunda-feira "nenhuma situação de perigo" envolvendo este menino tinha sido "comunicada a esta comissão".

"Motivo pelo qual não temos conhecimento de qualquer informação respeitante a este agregado e, por conseguinte, nunca houve processo instaurado a favor desta criança", acrescentou a CPCJ, em resposta enviada à Lusa por correio eletrónico.

O alerta para o presumível homicídio foi dado, cerca das 06:00, pelo pai da criança, que se encontra a residir em França, através do posto da GNR de Santo André e da linha 112.

Os militares da Guarda deslocaram-se ao local e, já no interior da residência, verificaram se havia ou não mais alguém em casa e procederam, às 06:15, à detenção da mulher, que foi levada para o posto territorial, onde vai permanecer até ser conduzida a primeiro interrogatório judicial.

Segundo a GNR o pai da criança alertou a força de segurança, depois de este ter sido contactado pela mãe para o informar da morte do menino.

Últimas Notícias
Mais Vistos