Pequenas grandes histórias

Mãe condenada a 12 anos e meio de prisão por vender filho na dark net

Uma alemã foi condenada a 12 anos e meio de prisão por vender o filho de 9 anos na internet. Berrin Taha , 48 anos, mantinha perfis na dark web (a internet não referenciada nos motores de busca) e oferecia o filho para ser violado em troca de dinheiro. De acordo com a investigação, os abusos eram filmados.

A mulher contou com a ajuda do companheiro, Christian Lains de 39 anos. O homem já tinha sido condenado por pedofilia e admitiu, em tribunal, ter abusado da criança. Lains foi também condenado a 12 anos de cadeia.

O casal foi condenado por violação, agressão sexual agravada a criança, lenocínio e distribuição de pornografia infantil.


O porta-voz das autoridades de investigação criminal disse "tratar-se do pior caso de abusos sexuais a um menor que os nossos investigadores tiveram em mãos".

No decorrer da investigação, a polícia percebeu que a criança foi repetidamente violada desde os 7 anos de idade. O processo envolve ainda um cidadão espanhol, um suíço e um alemão.

A criança está sob a tutela do estado alemão e foi encaminhada para uma casa de acolhimento.

O caso foi conhecido no início do ano e chocou a Alemanha. O julgamento começou em junho e a sentença conhecida esta terça-feira, 7 de agosto.