Essencial

Neurocientista prova que os ecrãs recreativos estão a fabricar gerações menos inteligentes

O "Essencial" foi a Lyon, em França, ao encontro do investigador na área da neurociência, Michel Desmurget, para aprofundar este tema.

O tempo excessivo de ecrãs recreativos (dos telemóveis às televisões) tem um impacto negativo no desenvolvimento de crianças e jovens. A exposição, numa altura em que o cérebro ainda não atingiu a maturação, afeta a plasticidade cerebral e implica a perda de estímulos e experiências difíceis de recuperar.

O "Essencial" foi a Lyon, em França, ao encontro do investigador na área da neurociência, Michel Desmurget, para aprofundar este tema.

O neurocientista aponta que o problema está no tempo que as crianças e jovens passam diante do ecrã, afetando a inteligência das gerações mais novas.

SAIBA MAIS

► A PÁGINA DO ESSENCIAL