Leste/Oeste

Cheias na Europa: Uma catástrofe evitável?

A análise da atualidade internacional pelo comentador da SIC Nuno Rogeiro.

A catástrofe que atinge a região central da Europa é um dos principais temas analisados. O clima extremo e a impreparação para a emergência levam Nuno Rogeiro a questionar se esta catástrofe seria evitável. A reconstrução da regiões afetadas, no oeste da Alemanha, poderão demorar anos a reconstruir.

Sobre a covid-19, Nuno Rogeiro considera que é necessário avançar com uma revisão constitucional que adapte os estados de exceções a situações como a pandemia. Em causa está o debate internacional sobre a obrigatoriedade das vacinas, que cresce na União Europeia.

A revolta de Cuba foi, para o comentador, “sol de pouca dura”. Nuno Rogeiro considera que 48 horas de revolta por toda a Cuba não fazem uma revolução, mas marcam.

Na África do Sul, a violência já levou 25 mil militares às ruas. Entretanto, começou a missão da SADC em Cabo Verde, comandada pela mesma África do Sul que se vê a mãos com uma onda de violência.

Em análise esteve também a parada militar, realizada pela França, para comemorar o dia 14 de Julho. O evento mostra uma nova doutrina militar, um dos pilares da defesa europeia.

Espaço ainda para analisar a decisão de Macau de anular e retirar várias listas candidatas às eleições da RAEM. Nuno Rogeiro questiona se houve pressão de Pequim e se Portugal deve ou não protestar.

► A PÁGINA DO LESTE/OESTE

  • Nuno Rogeiro sobre o dilúvio na Alemanha: “A destruição humana era perfeitamente evitável”

    Leste/Oeste em Podcast

    As cheias no centro da Europa, mas principalmente na Alemanha, põem a descoberto as falhas que levaram, mais do que à destruição material, à destruição humana. Nuno Rogeiro considera que a segunda era "perfeitamente evitável" e diz ainda que a Alemanha, "um país extremamente desenvolvido", tem uma política de construção de habitações em zonas de risco "que provocou as derrocadas". E deixa o alerta para Portugal. O programa foi emitido na SIC Notícias a 18 de julho e passou ainda por vários outros temas, desde a vacinação às novidades da parada militar do 14 de julho em França

  • 1:57