Polígrafo SIC

Carlos Moedas: “Podemos ter uma cidade na liga de campeões da Europa”

Carlos Moedas, candidato do PSD à Câmara Municipal de Lisboa em entrevista ao Polígrafo SIC.

O PSD anunciou no início do mês o nome de Carlos Moedas para a Câmara Municipal de Lisboa nas eleições autárquicas. Em entrevista ao Polígrafo SIC, o candidato afirma-se orgulhoso do seu passado, aponta críticas à governação socialista e revela que a prioridade é criar um plano para fazer face a futuras pandemias.

“Dei muitas provas do que sou capaz”

Num passado intimamente ligado à banca e à troika, o candidato social-democrata à Câmara de Lisboa diz-se orgulhoso de o Governo que integrou ter sido o responsável por “salvar o país”, sublinhando que, na altura, o Executivo de Pedro Passos Coelho “não tinha outra escolha”.

Enquanto comissário europeu acredita ter dado “muitas provas” do que é capaz, sobretudo no que diz respeito ao investimento na ciência e inovação, duas bandeiras da sua candidatura “por uma cidade melhor”.

Carlos Moedas afirma ainda que há um desgaste da governação socialista e apresenta-se como uma alternativa “muito diferente” à candidatura de Fernando Medina. Como objetivos aponta o desenvolvimento de uma cidade que ajuda os idosos, onde há “zero fome e zero isolamento”. Não deixa de lado a tecnologia e a cultura, dois setores onde espera poder fazer a diferença.

“Podemos ter uma cidade na Liga dos Campeões da Europa”, afirma.

Melhorar o metro, aproximar os serviços e preparar futuras pandemias

Sobre os seus planos para o futuro da capital, caso seja eleito, o candidato do PSD afirma que o principal objetivo do seu projeto é “criar valor”. Para isso, propõe-se a melhorar o metro, que considera ser, neste momento, “um dos piores da Europa”, regular o alojamento local, criar melhores condições para o uso dos transportes públicos e preparar futuras pandemias.

Ainda que reconheça o impacto do turismo na capital, Moedas defende que “economicamente uma cidade tem que ser mais do que isso”, e, por essa razão, quer reformular o alojamento local, regulando o mercado e impedindo, por exemplo, que fundos estrangeiros “comprem edifícios inteiros só para isso”.

Como uma das grandes prioridades, o candidato assume a preparação de um plano para combater e preparar futuras pandemias, revelando que o virologista Pedro Simas será responsável pela elaboração do projeto.

“A responsabilidade será minha, se ganhar ou perder”

Carlos Moedas lembra que as eleições autárquicas “são muito diferentes das legislativas” pelo que ou ganha por mais um voto, ou ganha Fernando Medina. Sobre a importância dos partidos na sua candidatura, considera que “contam, mas não tanto como a nível nacional”, desvalorizando que Chega e Iniciativa Liberal não integrem a coligação.

Por fim, o candidato à Câmara de Lisboa assume a responsabilidade, independentemente do resultado: “A vitória será sobretudo dos lisboetas. A responsabilidade será minha, se perder ou ganhar”.

Veja abaixo a entrevista na íntegra