Saúde e Bem-estar

Enfermeira doa o útero para ajudar outra mulher a ser mãe

Norte-americana submeteu-se a uma cirurgia de 11 horas.

Uma enfermeira norte-americana decidiu doar o útero para ajudar outra mulher a ser mãe. Depois de dar à luz três filhos, Heather Bankos, de 31 anos, decidiu que não queria voltar a engravidar.

A decisão passou inicialmente pela possibilidade de se ser barriga de aluguer, mas a ideia foi rapidamente abandonada por ter um trabalho de risco que inclui transportar pacientes em helicópteros e aviões, podendo colocar a gestação em risco.

Foi no final de 2017 que descobriu um programa na Baylor University Medical Center, em Dallas, no Texas, que realiza transplantes de útero e do qual já tinham resultados dois nascimentos e seis gravidezes.

Trabalho influenciou decisão

A decisão não foi difícil de tomar, especialmente depois de ter assistido, na unidade neonatal onde trabalha, a casos de recém-nascidos que não sobrevivem ou complicações que impedem as mulheres de voltar a engravidar.

Com o apoio do marido e dos filhos, Heather entrou em contacto com o centro médico em abril do ano passado e depois de ser submetida a uma série de exames, inclusive uma avaliação psicológica, doou o útero em fevereiro, quando encontrou uma paciente compatível.

Cirurgia por meio robótico

A cirurgia da norte-americana durou 11 horas. Por ter sido feita por meio robótico, o tempo de internamento hospitalar foi reduzido, assim como o risco de infeção e perda de sangue. Para além do útero, foram-lhe retirados o colo do útero e as trompas de Falópio. Questionada sobre a recuperação, Heather explicou que no início foi “muito dolorosa”, mas que atualmente já recuperou a 100%.

HEATHER BANKOS

O transplante foi feito imediatamente e também a paciente que recebeu o órgão recuperou do procedimento. O programa não permite que a paciente seja identificada, nem que se encontre com Heather antes de dar à luz, mas as mulheres já trocaram cartas.

Grande parte das pacientes que participa neste programa sofre de uma síndrome caracterizada pela falta de útero ou foi afetada por cancro. À BBC do Brasil, o cirurgião Colin Koon, responsável pela cirurgia de Heather, confessou que estas dadoras são as suas "heroínas”.

“É inacreditável que alguém atravesse o país, pagando do próprio bolso, para se submeter a uma enorme cirurgia que vai ajudar alguém que nem conhece. Isto renova a minha fé na nossa espécie”, afirmou.

  • "Plástico nosso de cada dia"
    29:35
  • Brincar ao ar livre como remédio natural
    0:21
  • Como não gastar dinheiro com os números começados por 707
    6:46