Saúde e Bem-estar

Cientistas identificam genes ligados aos canhotos

Brian Snyder

Canhotos podem ter mais habilidades verbais que a maioria dos destros.

Pela primeira vez, cientistas identificaram genes ligados à condição de canhoto. Estas variantes genéticas resultam em diferenças na estrutura do cérebro que podem significar que os canhotos têm mais habilidades verbais que a maioria dos destros.

10% da população humana é canhota, isto é, tem mais habilidade com o lado esquerdo do corpo, nomeadamente a mão, do que com o lado direito. Os cientistas não têm a certeza do porquê, mas sabem que a genética é parcialmente responsável pela preferência sobre um dos lados. Agora, este novo estudo conduzido pela Universidade de Oxford identificou quais as variantes genéticas que separam os destros dos canhotos.

O estudo analisou o ADN de 400 mil pessoas, entre as quais 38,332 canhotos, e concluiu que as variantes genéticas relacionadas com a condição de canhoto estão associadas a diferenças na “matéria branca” do cérebro, em particular, nas áreas associadas com a linguagem.

“Isto aumenta a possibilidade intrigante para investigações futuras sobre a vantagem que os canhotos podem ter sobre os destros quando se trata de tarefas verbais (…) Precisamos de avaliar se esta coordenação das áreas da linguagem entre os lados esquerdo e direito do cérebro nos canhotos lhes dá uma vantagem na capacidade verbal”, explicou Akira Wiberg, investigador que trabalhou neste estudo.

A mesma conclusão revelou que nos não destros, os lados esquerdo e direito do cérebro “comunicam de forma mais coordenada”. Por outro lado, o estudo indicou ainda uma associação à condição de canhoto com a probabilidade de desenvolver esquizofrenia e Parkinson.

“É bem sabido que há mais canhotos entre os pacientes que sofrem com esquizofrenia. Em contraste, há menos canhotos com doença de Parkinson”, explicou Dominic Furniss, da Universidade de Oxford, à CNN.

  • Empate técnico nas eleições em Israel: o que se segue
    2:28