Saúde e Bem-estar

Obesidade. "É só uma questão de tempo" até que surjam complicações na vida adulta

Estudo mostra que jovens com excesso de peso, mas sem alterações metabólicas, desenvolveram, ao longo dos 11 anos de seguimento, pelo menos uma alteração metabólica.

Investigadores do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) concluíram que, apesar de algumas pessoas com obesidade não apresentarem alterações metabólicas, é "uma questão de tempo" até se desenvolverem mudanças resultantes da acumulação de gordura.

Em comunicado, o instituto da Universidade do Porto explica esta quarta-feira que o estudo, publicado na revista Nutrition, Metabolism & Cardiovascular Diseases, visava perceber se o perfil metabólico "aparentemente saudável" de alguns pacientes com obesidade seria apenas uma "situação pontual" ou se estes tinham características que poderiam reduzir o risco associado à doença.

Citada no documento, a primeira autora do estudo, Vanda Craveiro, explica que, apesar de a obesidade aumentar o risco de se desenvolveram alterações metabólicas, "algumas pessoas com a doença apresentam estes indicadores [níveis elevados de pressão arterial, lípidos e glicose] em níveis considerados normais".

"Por essa razão surgiu, nos últimos anos, o conceito de obesidade metabolicamente saudável", afirma a investigadora, acrescentando que este é "um termo controverso".

"Para se compreender melhor esta questão é necessário acompanhar estes indivíduos com obesidade ao longo do tempo, para avaliar a evolução do seu peso e dos parâmetros metabólicos", afirma.

Tendo por base dados da coorte EPITeen [estudo longitudinal do ISPUP que, desde 2003, acompanha indivíduos nascidos em 1990], os investigadores estudaram a evolução do peso e do estado metabólico de 1.400 pessoas desde a adolescência até à idade adulta.

Os dados foram analisados em dois momentos, aos 13 e 24 anos, e o Índice de Massa Corporal (IMC) foi avaliado ao longo de 11 anos, sendo que os jovens foram categorizados de acordo com o seu peso e o estado da sua saúde metabólica.

O estudo mostrou que "cerca de 22% dos jovens que aos 13 anos apresentavam excesso de peso, mas não tinham alterações metabólicas, desenvolveram, ao longo dos 11 anos de seguimento, pelo menos uma alteração metabólica, mantendo o peso excessivo".

Segundo os investigadores, os resultados indicam que "a obesidade não é inofensiva".

"Apesar de alguns indivíduos com obesidade apresentarem, no início da adolescência, níveis normais de parâmetros metabólicos, os resultados sugerem que é só uma questão de tempo até que venham a desenvolver complicações na vida adulta, como por exemplo, colesterol e triglicerídeos elevados, diabetes ou hipertensão", acrescentam.

Além da duração da obesidade, o estudo mostrou também que a distribuição da gordura corporal, como uma maior acumulação de gordura no tronco contribui para estas alterações metabólicas.

A investigação, intitulada "Metabolically healthy overweight in Young adulthood: is it a mater of duration and degree of overweight", foi coordenada pela investigadora Joana Araújo e contou ainda com a participação de Elisabete Ramos.