Operação Miríade

Tráfico em missões militares: Presidente da República defende que não mancha "excelência" das Forças Armadas

Loading...

Nações Unidas confirmam ter reconhecimento das suspeitas e manifestaram disponibilidade para cooperar na investigação.

O Presidente da República considera que o alegado tráfico em missões militares não atinge o prestígio das Forças Armadas e reforça que as autoridades estão a invesigar o caso.

Em Cabo Verde, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, garante que a excelência das Forças Armadas não está em causa.

O Comandante Supremo das Forças Armadas lembra que a abertura da investigação ao alegado "tráfico de diamantes" só prestigia.

Em 2020, o ministro da Defesa informou as Nações Unidas das suspeitas que recaíam sobre alguns militares na República Centro-Africana.

João Gomes Cravinho garantiu que os suspeitos não regressaram à República Centro Africana em missões posteriores.

O ministro dos Negócio Estrangeiros considera que se tratam de indícios e não de factos apurados. Augusto Santos Silva recorda, ainda, o reconhecimento internacional dos militares portugueses em missões de paz das Nações Unidas.

Questionada pela SIC, as Nações Unidas confirmam ter reconhecimento das suspeitas e manifestaram disponibilidade para cooperar na investigação.

Alguns militares portugueses em missões na República Centro-Africana podem ter sido utilizados como "correios no tráfego de diamantes, ouro e estupefacientes", revelou o Estado-Maior-General das Forças Armadas, adiantando que o caso foi reportado em 2019.

VEJA TAMBÉM:

Últimas Notícias
Mais Vistos