Cultura

Morreu membro de grupo musical turco que ficou 323 dias sem comer

É o segundo membro deste grupo a morrer em pouco mais de um mês, em protesto pela alegada detenção sob a acusação de terrorismo.

O músico turco Ibrahim Gökçek morreu esta quinta-feira devido a complicações motivadas pela greve de fome durante quase um ano na prisão, na segunda morte de um membro da banda folk Grup Yorum em pouco mais de um mês.

A cantora Helin Bölek, 28 anos, morreu em 04 de abril após 288 dias em greve de fome, enquanto Gökçek esteve 323 dias sem ingerir alimentos em protesto pela sua detenção sob a acusação de "terrorismo".

No total, sete membros deste grupo musical estão detidos e acusados de vínculos com o Partido-Frente Revolucionária de Libertação do Povo (DKHP-C), uma organização considerada "terrorista" pela Turquia, Estados Unidos e União Europeia.

Gökçek terminou o seu protesto na passada terça-feira após 323 dias de jejum devido ao agravamento do seu estado de saúde, enquanto a banda considerou que o protesto expôs a sua situação e voltou a solicitar às autoridades que seja autorizada regressar às suas atuações na Turquia.

"A nossa resistência conseguiu uma vitória política. O mundo inteiro ouviu falar da nossa resistência. Esperamos que seja aceita o nosso pedido para organizar concertos", declarou a banda em comunicado.

No decurso dos seus 35 anos de existência, o coletivo musical Grup Yorum, fundado em 1985 e que incluiu dezenas de músicos, é conhecido pelas suas obras onde confluem a música tradicional e cantos revolucionários com temática esquerdista e anti-imperialista. Os seus membros são regularmente presos e os concertos proibidos.

Desde 2016 já foram detidos cerca de 30 membros da banda e a polícia interveio em dez ocasiões no centro cultural onde ensaiavam.

Hoje de manhã, deputados, artistas e defensores dos direitos humanos exprimiram as suas condolências pela morte de Gökçek na rede social Twitter e pediram ao Governo que levante as restrições ao grupo musical.