Cultura

Morreu Juvenal Garcês

O ator e encenador Juvenal Garcês morreu a 4 de agosto, aos 59 anos, na ilha da Madeira.

Facebook

Ator e encenador tinha 59 anos.

O ator e encenador Juvenal Garcês morreu esta terça-feira, aos 59 anos, na ilha da Madeira, disse à agência Lusa fonte da família.

Segundo a mesma fonte, não são conhecidas as causas da morte.

Juvenal Garcês vivia atualmente na Ribeira Brava, onde nasceu a 31 de maio de 1961.

A cerreira nos palcos

O ator e encenador estreou-se no Grupo Experimental de Teatro do Funchal em 1977, numa encenação do "Auto da Barca do Inferno".

Segundo o Centro de Estudos de Teatro da Universidade de Lisboa, na década de 1980, já em Lisboa, Juvenal Garcês trabalhou com a Casa da Comédia e em 1990 fundou, com Mário Viegas, a Companhia Teatral do Chiado, na qual trabalhou nos anos seguintes.

"Hedda Gabler", de Henrik Ibsen, "A menina Júlia", de August Strindberg, "As vampiras lésbicas de Sodoma", de Charles Busch, foram algumas das peças que encenou.

Ao longo da carreira, Juvenal Garcês também trabalhou com encenadores como Filipe La Féria, João Lourenço e Carlos Avilez.

A encenação de maior êxito de público terá sido "As obras completas de William Shakespeare em 97 minutos", com mais de 600 apresentações e cerca de 30 mil espectadores.

De acordo com o Movimento Cultura para Todos, Juvenal Garcês regressou à Ribeira Brava, na Madeira, depois da extinção da Companhia Teatral do Chiado.

  • Marcelo Rebelo de Sousa: aprender a perder para depois ganhar o país

    Presidenciais

    Marcelo Rebelo de Sousa foi um predestinado. Nasceu e cresceu à boleia da ditadura, mas a sua luta foi pela democracia. Parecia não alimentar a vontade de alcançar altos cargos políticos e chegou mesmo a invocar o nome de Deus em vão: "Nem que Cristo desça à Terra!", dizia Marcelo. Declarou também que dez anos como Presidente da República era muito tempo. Mas ei-lo de novo a contrariar-se e a seguir o caminho que já lhe vinha a ser apontado.

    Ana Luísa Monteiro