Cultura

"Catarina e a beleza de matar fascistas" é a nova peça de Tiago Rodrigues

Tiago Rodrigues, diretor artístico do Teatro D. Maria II.

ANTÓNIO COTRIM

A peça terá a primeira representação em Guimarães antes de ser levada ao Teatro Vidy, em Lausanne.

A estreia mundial, em 19 de setembro, da peça "Catarina e a beleza de matar fascistas", de Tiago Rodrigues, é um dos destaques da programação cultural de Guimarães para o último quadrimestre deste ano, foi hoje anunciado.

A peça, que teve estreia prevista para a temporada passada, adiada por causa da pandemia, terá a primeira representação em Guimarães antes de ser levada ao Teatro Vidy, em Lausanne, entre o final deste mês e o início de outubro, e da sua apresentação em Viena, entre outros palcos europeus, em Roma, Paris ou Toulouse.

Outros destaques para Guimarães são a 7.ª edição do Westway LAB, de 14 a 17 de outubro, e da 29.ª edição do Guimarães Jazz, de 12 a 21 de novembro.

A programação dá ainda relevo à comemoração do 15.º aniversário do Centro Cultural Vila Flor, com um concerto, no dia 12 de setembro, com Teresa Salgueiro e a Orquestra de Guimarães.

Teresa Salgueiro esteve na inauguração do 'Vila Flor', então enquanto vocalista dos Madredeus.

Ainda no âmbito das comemorações, haverá duas instalações artísticas, por Nelson Duarte e Berru, que vão dar vida aos vidros da fachada do pequeno auditório e à praça coberta do Centro Cultural.

Camané e Mário Laginha atuam em 24 de outubro, concretizando um concerto que esteve agendado para maio, mas que teve de ser adiado por causa da pandemia de Covid-19.

Para 18 de dezembro, sobe ao palco a peça "Aurora Negra", de Cleo Tavares, Isabél Zuaa e Nádia Yracema, que se estreou na quinta-feira, no Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa, e que aborda a invisibilidade dos corpos negros nas artes performativas.

O diretor-executivo de A Oficina, Ricardo Freitas, que gere os equipamentos culturais de Guimarães, enfatizou as restrições impostas pela pandemia de covid-19, desde logo em termos de lotação, como é o caso do grande auditório do 'Vila Flor', que passa de 800 lugares para cerca de metade.

Sublinhou o trabalho desenvolvido para que tudo corra em segurança, deixando claro que só o que não depender de A Oficina é que não irá acontecer.

Da programação cultural para os últimos quatro meses deste ano, ressalta também a exposição a inaugurar no dia 05 de dezembro, no Palácio Vila Flor, que reunirá obras dos 30 artistas que ali expuseram nos últimos 15 anos.

A 7.ª edição do Westway LAB acolherá nove concertos, com nomes como Ian, Miramar e The Legendary Tigerman.

Já a 29.ª edição do Guimarães Jazz contará com músicos e formações portugueses, incluindo a Orquestra de Guimarães, e músicos estrangeiros que estão a viver em Portugal.

"Contando com a orquestra, vai envolver mais de 100 músicos portugueses", disse Ivo Martins, responsável pela programação.