Desporto

Sporting alvo de buscas em processo distinto do Benfica e do Santa Clara

Rafael Marchante

Investigação da PJ em Alvalade estará relacionada com a Holdimo.

A Polícia Judiciária (PJ) está a fazer buscas em Alvalade, mas no âmbito de um processo distinto do que levou à investigação que decorre nas instalações do Benfica e no Santa Clara.


Em Alvalade, as autoridades investigam suspeitas de branqueamento de capitais entre 2011 e 2014. Em causa está a entrada da empresa Holdimo no capital da Sporting SAD.

Em comunicado, a Sporting confirma a realização de buscas por parte da PJ às suas instalações.

"Em causa um alegado crime de branqueamento de capitais referente ao período de 2011 a 2014. A Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD disponibiliza-se para colaborar com as autoridades para o esclarecimento de todo este processo."

"Congratulamo-nos ainda com o esforço do Ministério Público e das autoridades competentes em prol da verdade desportiva e da transparência, contribuindo para a dignificação do futebol português, neste e noutros processos."

No período investigado pela PJ, de acordo com a SAD do Sporting, o clube foi liderado por Godinho Lopes (até 2013) e por Bruno de Carvalho.


Benfica e Santa Clara também tinham confirmado terem sido alvo de buscas, no âmbito de uma investigação relacionada com negócios no futebol, já detalhada pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Durante a manhã de hoje, a PGR confirmou a realização de 29 buscas: "oito domiciliárias; uma, a uma fundação; seis, a instalações de três sociedades desportivas; nove, a outros tipos de sociedade; três, a dois clubes desportivos; e duas, a dois escritórios de advogados".


As buscas, de acordo com o mesmo documento, "decorrem em vários locais do país e contam com a participação de magistrados do Ministério Público e dos tribunais de Instrução Criminal, inclusive, o Central e elementos da Polícia Judiciária e da Autoridade Tributária".


"Nos inquéritos investigam-se factos suscetíveis de integrarem crimes de participação económica em negócio ou recebimento indevido de vantagem, corrupção ativa e passiva no fenómeno desportivo, fraude fiscal qualificada e branqueamento", refere a PGR, acrescentando que "estão em causa negócios de diversa natureza, todos relacionados com o futebol profissional".


De acordo com o mesmo comunicado, "investigam-se ainda a aquisição dos direitos desportivos e económicos dos jogadores por parte de clubes nacionais de futebol, empréstimos concedidos a um destes clubes e a uma sociedade desportiva por um cidadão de Singapura com interesses em sociedades sediadas nas Ilhas Virgens Britânicas e a utilização das contas do mesmo clube e de outro, para a circulação de dinheiro".


Além das SAD, "as investigações incidem igualmente sobre o envolvimento de outros tipos de sociedades (algumas ligadas ao setor imobiliário)", devido ao "pagamento em dinheiro de prémios de jogo, a satisfação de dívidas pessoais de dirigentes, a utilização por estes de valores dos clubes e a omissão declarativa de operações fiscalmente relevantes".