Economia

Autoeuropa só negoceia com Comissão de Trabalhadores

Francisco Seco

A Autoeuropa disse esta quarta-feira que só negoceia com a Comissão de Trabalhadores, que vai ser eleita apenas a 3 de outubro.

A greve convocada para esta quarta-feira na fábrica da Volkswagen Autoeuropa, em Palmela, teve uma "adesão de 41% do total dos trabalhadores", revelou a empresa em comunicado.

A Autoeuropa refere ainda que, "apesar do impacto negativo desta paralisação, a empresa contínua empenhada em encontrar um compromisso com os trabalhadores que crie, mantenha e assegure o emprego".

"Este compromisso deverá também garantir as encomendas dos nossos clientes para o novo modelo, que requer a laboração contínua em 18 turnos por semana", acrescenta o comunicado.

No documento, a administração da Autoeuropa considera que "para atingir este objetivo, é essencial dar continuidade ao processo de diálogo com uma comissão de trabalhadores (CT) eleita, à semelhança das boas práticas laborais da Volkswagen Autoeuropa e do Grupo Volkswagen" e promete ouvir as partes envolvidas no processo até à eleição da nova CT.

Os trabalhadores da Autoeuropa realizaram esta quarta-feira uma greve histórica, que só termina às 00:00 de quinta-feira, e que constitui a primeira paralisação por razões laborais na fábrica de automóveis de Palmela.

A greve foi marcada após a rejeição de um pré-acordo entre a administração e a Comissão de Trabalhadores [que apresentou a demissão e convocou eleições para 3 de outubro], devido à obrigatoriedade dos funcionários trabalharem ao sábado, como está previsto nos novos horários de laboração contínua que serão implementados a partir do próximo mês de novembro.

Os trabalhadores alegam que, além do transtorno que a obrigatoriedade do trabalho ao sábado iria provocar nas suas vidas, a compensação financeira atribuída pela empresa também é muito inferior ao que iriam receber pelo trabalho extraordinário aos sábados.

De acordo com o novo modelo de horários, cada trabalhador iria rodar nos turnos da manhã e da tarde durante seis semanas e fará o turno da madrugada durante três semanas consecutivas, com uma folga fixa ao domingo e uma folga rotativa nos outros dias da semana.

Com Lusa