Economia

Huawei apresenta sistema operacional que pode substituir Android

Charles Platiau/ Reuters

Os Estados Unidos acusam a maior fabricante mundial de equipamentos para empresas de telecomunicações e Internet de cooperarem com os serviços secretos chineses.

O grupo chinês das telecomunicações Huawei apresentou hoje um novo sistema operacional, que poderá no futuro integrar os seus telemóveis, numa altura em que os Estados Unidos ameaçam bloquear o fornecimento do sistema Android.


Apelidado de "HarmonyOS", o sistema foi hoje referido pelo diretor executivo da empresa, Richard Yu, numa conferência em Dongguan, no sul da China.

"Queremos trazer mais harmonia ao mundo", disse.


Em maio passado, os EUA colocaram o grupo numa lista de entidades do Departamento de Comércio, após as negociações falharem em maio, o que implica que as empresas norte-americanas tenham de solicitar licença para vender tecnologia à Huawei.


A proibição também diz respeito ao Google e ao fornecimento do sistema Android, que equipa a grande maioria dos 'smartphones' do mundo, incluindo os da Huawei.


Washington aprovou um período de isenção de três meses, que termina na semana que vem.


A empresa trabalha desde 2012 no seu próprio sistema operacional, projetado inicialmente para a indústria da Internet das Coisas.


Na quarta-feira, a administração norte-americana proibiu as agências governamentais de comprarem equipamentos à Huawei, implementando uma medida do Congresso que considera as empresas chinesas uma ameaça à segurança, perante as crescentes tensões entre os dois países.


Washington tem ainda pressionado vários países, incluindo Portugal, a excluírem a Huawei na construção de infraestruturas para redes móveis de quinta geração (5G).

Lusa

  • Os tsunamis que arrasaram a Ásia em 2004 e 2011
    25:20