Economia

Presidente da EDP pode ser proibido de entrar no edifício da empresa 

Ministério Público pede que António Mexia seja suspenso de funções.

O Ministério Público quer que o presidente da EDP, António Mexia, seja suspenso de funções e obrigado a pagar uma caução de dois milhões de euros.

A promoção das medidas de coação foi apresentada esta sexta-feira pelo procurador do processo das alegadas rendas excessivas da EDP ao juiz Carlos Alexandre, que deverá decidir na próxima semana.

Os procuradores pedem também ao juiz que o presidente da EDP Renováveis e um dos administradores da REN deixem de exercer os cargos.

O juiz vai agora dar o direito de contraditório às defesas dos arguidos, acusados de crimes de corrupção e de participação económica em negócio.

EDP garante que pedido do Ministério Público "não tem efeito na gestão" da empresa

A EDP garantiu esta sexta-feira que o pedido apresentado pelo Ministério Público, para que António Mexia seja suspenso da presidência da empresa, “não tem qualquer efeito do ponto de vista da gestão” da elétrica.

Em comunicado, o grupo referiu que “o documento conhecido é, apenas, a promoção do Ministério Público quanto às medidas de coação” e que “não se trata de qualquer decisão do Juiz de Instrução Criminal de aplicação dessas mesmas medidas a qualquer arguido”.

"Houve corrupção em todos estes processos. Está à vista finalmente"

José Gomes Ferreira e Paulo Baldaia analisam os últimos desenvolvimentos do caso das rendas excessivas da EDP, nas mãos do juiz Carlos Alexandre.

Veja também: