Economia

TAP: Sindicato dos técnicos de manutenção recebe acordo com "alívio"

O dono da companhia aérea Azul, David Neeleman, deixou a estrutura acionista da TAP.

O Sindicato dos Técnicos de Manutenção de Aeronaves (SITEMA) diz ter recebido com "alívio" a solução encontrada para a TAP e esperar que a participação de 72,5% do Estado na companhia permita a recuperação da empresa.


O Governo anunciou, na quinta-feira à noite, ter chegado a acordo com os acionistas privados da TAP para comprar, por 55 milhões de euros, 72,5% do capital da companhia aérea.


"Foi com alívio que assistimos ontem [quinta-feira] ao desfecho, por nós há muito aguardado, sobre a solução para a NOSSA TAP", afirma o sindicato em comunicado hoje divulgado, salientando que a companhia foi "duramente afetada" pelos efeitos da pandemia de Covid-19.


"Para nós, técnicos de manutenção de aeronaves, é importantíssimo que, de uma vez por todas, a empresa encontre um rumo que sirva os interesses do país, da TAP e, por conseguinte, de todos nós, trabalhadores", acrescenta.


O sindicato adianta que os técnicos de manutenção "muito têm feito para o prestígio" da TAP e defende que manter a companhia é sinónimo de qualidade, rigor, competência e eficiência.


"Desta vez pede-se que a receita não seja mais do mesmo, que não se trate o que é diferente como se fosse igual, que se tenha uma preocupação em reestruturar mas sem estrangular a própria empresa, que se olhe para o presente da TAP mas se pense essencialmente no seu futuro, que se olhe para a especificidade e particularidades da nossa classe, que se tenha em linha de conta a dificuldade e exigência na formação de um TMA (cerca de 10 anos) e a dificuldade em contratar estes profissionais no mercado", adverte o sindicato.


E defende que a "hipotética dispensa" daqueles profissionais pode comprometer o futuro da TAP.


O Governo anunciou na quinta-feira que chegou a acordo com os acionistas privados da TAP, ficando com 72,5% do capital da companhia aérea, por 55 milhões de euros, com a aquisição da participação (de 22,5%) até agora detida por David Neeleman. O empresário Humberto Pedrosa detém 22,5% e os trabalhadores os restantes 5%.


"De forma a evitar o colapso da empresa, o Governo optou por chegar a acordo por 55 milhões de euros", referiu o ministro das Finanças, João Leão, numa conferência de imprensa conjunta com o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, na quinta-feira, em Lisboa.


O Governo esclareceu que a Atlantic Gateway passa a ser controlada por apenas um dos acionistas que compunha o consórcio, designadamente o português Humberto Pedrosa, dono do grupo Barraqueiro.


O dono da companhia aérea Azul, David Neeleman, sai assim da estrutura acionista da TAP.


A Comissão Europeia aprovou em 10 de junho um "auxílio de emergência português" à companhia aérea TAP, um apoio estatal de até 1.200 milhões de euros para responder às "necessidades imediatas de liquidez" com condições predeterminadas para o seu reembolso.


Uma vez que a TAP já estava numa débil situação financeira antes da pandemia de Covid-19, a empresa "não é elegível" para receber uma ajuda estatal ao abrigo das regras mais flexíveis de Bruxelas devido ao surto, que são destinadas a "empresas que de outra forma seriam viáveis".


O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, anunciou que o presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves, vai ser substituído "de imediato", sem revelar quem lhe sucede.


Pedro Nuno Santos anunciou também que o Governo vai contratar uma empresa para procurar no mercado internacional uma equipa de gestão qualificada para a TAP.