Economia

O fim do BPP 

Declínio começa em 2008 em plena crise económica.  

O fim do BPP aconteceu há 10 anos, quando o Banco de Portugal retirou a autorização para o exercício da atividade bancária, depois de uma tentativa falhada de recuperar o banco. O processo de liquidação ainda decorre.

O ano de 2008, marcado pela crise económica, pôs a descoberto as fragilidades do BPP, um banco direcionado para a gestão de fortunas.

Em novembro, o pedido de 750 milhões de euros para salvar o banco de graves problemas de liquidez é recusado. João Rendeiro, líder da instituição, renuncia ao cargo e é o princípio do fim para o Banco Privado Português.

João Rendeiro condenado a 5 anos e 8 meses de prisão

O ex-presidente do BPP foi condenado a 5 anos e 8 meses de prisão efetiva pelo Tribunal da Relação, que considerou provados os crimes de falsidade informática e falsificação de documento que lesaram o banco.

O ex-administrador Paulo Guichard foi condenado a 4 anos e 8 meses de prisão.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros