Economia

EUA impõem restrições de visto a responsáveis da Huawei e de outras empresas chinesas

Matthew Childs

Em causa estão empresas que "dão apoio material a regimes que comentem violações aos direitos humanos em todo o mundo", segundo os EUA.

Os Estados Unidos vão impor restrições aos vistos a vários responsáveis do gigante chinês de telecomunicações Huawei, acusado por Washington de potencial espionagem em benefício de Pequim, anunciou esta quarta-feira o secretário de Estado norte-americano.

Segundo Mike Pompeo, que falava numa conferência de imprensa, as restrições afetam não só responsáveis da Huawei como também de outras empresas chinesas que "deem apoio material" aos governos de todo o mundo que cometam violações aos direitos humanos.

"O Departamento de Estado [norte-americano] vai impor restrições aos vistos a vários funcionários de empresas tecnológicas chinesas, como a Huawei, por darem apoio material a regimes que comentem violações aos direitos humanos em todo o mundo", sublinhou Mike Pompeo.

O chefe da diplomacia norte-americana, por outro lado, saudou a decisão do Governo britânico de cortar os laços com a empresa chinesa e anunciou que visitará o Reino Unido e a Dinamarca na próxima semana.

Governo britânico decide banir Huawei da rede de telemóvel 5G

As operadoras de telemóvel britânicas vão ter de remover todo o equipamento da empresa chinesa Huawei usado na infraestrutura de telecomunicações 5G até ao final de 2027, ordenou esta terça-feira o Governo.

A decisão foi tomada numa reunião do Conselho de Segurança Nacional presidida pelo primeiro-ministro, Boris Johnson, como resposta a sanções impostas pelos Estados Unidos à Huawei em maio.

  • Dez dicas para pais, alunos e escolas no regresso às aulas

    País

    O regresso à escola é sempre desafiante para pais, crianças e professores. Os novos começos não são fáceis e, por isso, às vezes é bom contar com ajuda. Reunimos dez dicas: cinco de um professor e cinco de uma psicóloga que podem ser usadas como um guia prático para quem quer entrar com o pé direito no novo ano letivo.

    Ana Luísa Monteiro