Economia

BE defende que auditoria da Deloitte ao Novo Banco não tem credibilidade 

O Bloco de Esquerda defende a criação de uma comissão de inquérito à gestão do Novo Banco.

O Bloco de Esquerda considera que a auditoria feita pela Deloitte ao Novo Banco não tem qualquer credibilidade e pede que os resultados sejam considerados nulos.

Esta manhã, em conferência de imprensa, Mariana Mortágua confirmou que a consultora assessorou o banco na venda da seguradora GNB Vida, um negócio que resultou em grandes perdas para o Novo Banco, mas nunca o mencionou na auditoria entregue esta semana.

A deputada disse mesmo que a auditoria está "ferida de morte" e que não garante "seriedade, rigor e independência" devido ao "conflito de interesses" da Deloitte.

"Da mesma forma que foi entendido pelo Presidente da República e pelo Governo que esta auditoria era importante para analisar as próximas injeções de fundos no Novo Banco é preciso agora considerar nula a auditoria e nulos os seus resultados uma vez que ela não só acaba por validar as operações do Novo Banco como sabemos que ela não garante a independência necessária", apelou.

Auditoria revela perdas de mais de 4 mil milhões no Novo Banco

A auditoria externa ao BES e ao Novo Banco revelou esta semana perdas líquidas de 4.042 milhões de euros no Novo Banco e, segundo o Governo, o "relatório descreve um conjunto de insuficiências e deficiências graves" até 2014.

"O relatório descreve um conjunto de insuficiências e deficiências graves de controlo interno no período de atividade até 2014 do Banco Espírito Santo no processo de concessão e acompanhamento do crédito, bem como relativamente ao investimento noutros ativos financeiros e imobiliários", de acordo com o comunicado, divulgado esta madrugada, pelo Ministério das Finanças.

  • Um Presidente sem tempo a perder

    Opinião

    Donald Trump foi o pior Presidente dos EUA em 90 anos. Joe Biden tem o maior desafio do último século americano - mas está, nestes primeiros dias, a mostrar que pode estar à altura do que a maioria clara lhe pede.

    Germano Almeida