Economia

Empresários da restauração estão descontentes com apoio extraordinário do Governo

Pedem que a verba seja calculada com base no último trimestre de 2019.

O setor da restauração considera insuficiente o apoio extraordinário apresentado na quinta-feira pelo Governo. A “PROVAR”, uma das associações do setor, pede que a verba seja calculada com base no último trimestre de 2019.

De outubro a dezembro de 2019, o setor da restauração terá faturado perto de dois mil milhões de euros. No mesmo período deste ano, as perdas estão estimadas em cerca de 80%, ou seja menos 1.400 milhões nos bolsos dos empresários.

Por isso, pedem que o apoio extraordinário seja calculado com base nos números de 2019 e que se traduza num montante a fundo perdido a ser pago por antecipação. Só assim, diz uma das associações que representa o setor, os restaurantes podem sobreviver. Caso contrário, cerca de 70% das empresas podem vir a encerrar.

António Costa anunciou um apoio à restauração para os concelhos onde os restaurantes vão ter de fechar às 13h nos próximos dois fins de semana. Os restaurantes vão receber 20% da perda de receita e podem pedir o apoio a partir de 25 de novembro.

O descontentamento já fez com fossem marcadas manifestações em várias cidades. Começam esta sexta-feira e prolongam-se pelo fim de semana.