Economia

Comissão às perdas do Novo Banco. PSD acusa o PS de instrumentalizar o Parlamento

Em causa está a audição a Carlos Moedas.

O PSD acusa o Partido Socialista de instrumentalizar o Parlamento para fazer campanha política. Em causa, a audição a Carlos Moedas, candidato à Câmara de Lisboa, ouvido na comissão de inquérito ao Novo Banco. O ex-secretário de Estado Adjunto de Passos Coelho reafirmou que não teve qualquer intervenção no caso do BES.

Carlos Moedas repetiu tudo o que já tinha dito na anterior comissão de inquérito. Confirmou, uma vez mais, uma reunião e um telefonema de Ricardo Salgado e garantiu que não lhes deu qualquer seguimento.

Vários partidos reconheceram que pouco havia a perguntar e apontaram o dedo aos motivos que levaram o PS a chamar novamente Moedas. O PS argumenta que a audição não foi um ato isolado. Quer também esclarecimentos, por escrito, de Cavaco Silva, na altura Presidente da República, de Passos Coelho, então primeiro-ministro, e de Durão Barroso, que presidia à Comissão Europeia.

Veja também: