Economia

Mais 429 M€ para o Novo Banco. BE e PCP querem que injeção passe pelo Parlamento

Governo prepara-se para autorizar mais 429 milhões de euros para o Novo Banco.

O Bloco de esquerda e o PCP dizem que é inaceitável que o Governo coloque mais dinheiro no Novo Banco sem ouvir a Assembleia da República. O Bloco considera que a decisão é grave e espera que o PSD não dê a mão ao Governo na votação que decorre esta sexta-feira no Parlamento.

É uma luta antiga. O Bloco de Esquerda lembra que no último orçamento já ficou escrito que as novas injeções têm de passar por aqui. O Governo tem dito que os contratos têm de ser cumpridos e, por isso, prepara-se para autorizar mais 429 milhões de euros para o Novo Banco.

Esta sexta-feira é votada uma recomendação do bloco para insistir na ideia e o PSD - chave na aprovação - admite abster-se, o que poderia significar um chumbo da proposta.

Na Comissão de Inquérito também há novidades. Rui Pinto não vai ser ouvido como pedia o PAN. A audição foi chumbada: a Iniciativa Liberal absteve-se e CDS e PS votaram contra.

O debate foi aceso. Os deputados, que chumbaram a audição sublinham que as informações foram obtidas de forma ilegal. Em causa estão as ligações do BES com o BES Angola e um alegado desvio de 600 milhões de euros.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros