País

Novo Banco. PAN lamenta chumbo da audição de Rui Pinto e acusa partidos de hipocrisia

MARIO CRUZ

Considerando "hipócrita" que a comissão de inquérito ao Novo Banco não o queira ouvir.

O porta-voz do PAN lamentou esta quinta-feira o 'chumbo' da audição de Rui Pinto, criador dos 'Football Leaks' e arguido no caso com o mesmo nome, considerando "hipócrita" que a comissão de inquérito ao Novo Banco não o queira ouvir.

Na votação hoje efetuada na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, os deputados do PSD, BE, PCP e PAN votaram a favor, João Cotrim de Figueiredo (IL) absteve-se e PS e CDS-PP votaram contra.

"É absolutamente hipócrita que não queiram ouvir a fonte da informação, quando depois a utilizam quando esta é veiculada pelos órgãos de comunicação social, a pergunta que fica é: de que é que o PS tem medo?", perguntou o deputado do PAN, partido autor do requerimento.

Segundo André Silva, "todos os problemas na origem do grave problema financeiro do BES estão também relacionados com negociatas do BES/Angola".

"O cidadão Rui Pinto tem informações sobre transferências do BES para o BES Angola na ordem dos 600 ME através de empresas fictícias em 'off shores'", apontou.

O deputado recordou que Rui Pinto está a colaborar com a Polícia Judiciária e lembrou que a comissão de inquérito tem "poderes especiais".

"É de facto de lamentar que estes partidos, nomeadamente o PS, chamem à comissão figurões que muitos vêm gozar com os deputados e com os cidadãos, mas quando é necessário ouvir a origem dessa informação o PS entende que não o deve fazer", criticou, considerando que o parlamento "perdeu uma oportunidade fantástica" de avançar nesta investigação.

A audição de Rui Pinto, criador dos 'Football Leaks' e arguido no caso com o mesmo nome, foi hoje chumbada na comissão de inquérito ao Novo Banco, depois de dois empates na votação, o que à segunda significa chumbo.

Depois de um primeiro empate 8-8 (a votação é feita por número de deputados), os parlamentares esgrimiram argumentos sobre a forma de obtenção da informação a que Rui Pinto teve acesso, a questão que os dividiu.

A votação acabou por ser repetida com o mesmo resultado e, nos termos do Regimento da Assembleia da República, um empate à segunda votação equivale a rejeição.