Economia

Economia da zona euro deverá crescer 4,3% em 2021 e 4,4% em 2022

Tony Gentile

De acordo com o relatório da OCDE.

A economia da zona euro deverá crescer 4,3% este ano e 4,4% no próximo, de acordo com o relatório divulgado esta segunda-feira sobre as perspetivas económicas ('Economic Outlook') da OCDE, que foram revistas em alta.

No anterior relatório, publicado em dezembro, a OCDE previa crescimentos de 3,6% e de 3,3% para 2021 e 2022, respetivamente.

"À medida que as medidas de confinamento são gradualmente suspensas, o crescimento económico deve recuperar fortemente no segundo semestre deste ano", diz a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Segundo a organização internacional, a economia da zona euro deverá crescer 4,3% em 2021 e 4,4% em 2022 "impulsionada pelo consumo privado, um apoio orçamental considerável e uma procura externa vigorosa, nomeadamente dos Estados Unidos".

"Prevê-se que o desemprego diminua para perto dos níveis anteriores à crise até 2022", indica ainda a OCDE, sublinhando que "uma implementação rápida e eficaz do plano de recuperação da União Europeia reforçaria ainda mais a recuperação".

A OCDE defende que, com a inflação a permanecer abaixo do objetivo do BCE até ao final de 2022, a política monetária deve permanecer acomodatícia e as políticas orçamentais nacionais "devem continuar a apoiar até que a recuperação ganhe ímpeto e mude cada vez mais para a promoção da realocação de recursos a favor da descarbonização e digitalização".

"O aumento do investimento público é fundamental", diz a OCDE, acrescentando que para o período pós-crise, "a área do euro também precisa de uma nova estratégia de política monetária, com uma reação de política igualmente forte quando a inflação está acima e abaixo do objetivo do BCE".

A OCDE prevê ainda que a taxa de desemprego na zona euro se situe em 8,2% em 2021 (contra 7,9% em 2020) e em 7,9% em 2022.

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia