Economia

Regulador britânico aumenta em 80% preço máximo da energia no Reino Unido

Regulador britânico aumenta em 80% preço máximo da energia no Reino Unido
Tim Grist Photography
Custo médio anual com a energia de um agregado familiar pode subir para 3.549 libras (4.203 euros), contra 1.971 libras (2.335 euros) de há seis meses.

O regulador de energia britânico Ofgem (Office of Gas and Electricity Markets) aumentou esta sexta-feira em 80% o preço máximo da energia no Reino Unido, em grande parte devido às consequências da guerra na Ucrânia, justificou.

O regulador calcula que o custo médio anual com a energia de um agregado familiar suba para 3.549 libras (4.203 euros), contra 1.971 libras (2.335 euros) de há seis meses, quando o preço já tinha subido 54%.

"O preço da energia atingiu níveis recorde impulsionado por um ato económico agressivo por parte do Estado russo. Eles desligaram lenta e deliberadamente o fornecimento de gás à Europa, causando danos às nossas famílias, empresas e economia em geral. O Ofgem não tem outra escolha senão refletir estes aumentos de custos no preço máximo", afirmou o presidente do regulador, Jonathan Brearley.

Segundo a entidade, desde dezembro os preços da energia aumentaram 360% nos mercados internacionais, um resultado da procura internacional e também da guerra. O preço máximo da energia [price cap] é estipulado para os clientes domésticos em Inglaterra, País de Gales e Escócia em termos de unidade de gás e eletricidade e o custo de estarem ligados à rede. Esta medida limita a margem de lucro das empresas fornecedoras, mas não se aplica na Irlanda do Norte, onde têm existido aumentos de tarifas sucessivas.

O Governo britânico já determinou um pagamento de 400 libras (474 euros) por agregado familiar para reduzir as contas entre outubro e março, além de apoios adicionais a famílias com rendimentos baixos, inválidos e reformados. Porém, o ministro das Finanças britânico, Nadhim Zahawi, disse esta sexta-feira estar a trabalhar em mais opções para o sucessor de Boris Johnson, que deverá entrar em funções em 6 de setembro, aplicar "o mais rapidamente possível".

O novo preço máximo entrará em vigor a 1 de outubro, estando prevista uma nova atualização dentro de três meses, em vez dos seis meses anteriores. A consultora Cornwall Insight fez hoje uma revisão em alta e previu que valor aumente para 5,386 libras (6.378 euros).

Últimas Notícias
Mais Vistos