Economia

Passe nacional a preço reduzido? Pedro Nuno Santos responde

Passe nacional a preço reduzido? Pedro Nuno Santos responde
Nuno Filipe Pereira/EyeEm

Questão foi colocada ao ministro das Infraestruturas, à semelhança do que já acontece na Alemanha e na Áustria.

O ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, afirmou que a capacidade do transporte ferroviário para receber mais passageiros é neste momento quase nula, o que inviabilizaria a criação de um passe nacional a um preço reduzido.

"Neste momento, na ferrovia, infelizmente, temos a nossa capacidade esgotada", disse o ministro numa audição no Parlamento.

Perante este contexto, afirmou o ministro das Infraestruturas e Habitação, "se amanhã tivéssemos viagens a preço zero, a capacidade de o transporte receber mais passageiros seria quase nula".

Estas declarações de Pedro Nuno Santos surgiram em resposta ao deputado único do Livre, Rui Tavares, que defendeu e questionou o ministro sobre a criação de um passe ferroviário nacional a um preço reduzido, à semelhança do que foi feito noutros países, como a Áustria e a Alemanha.

"Hoje, infelizmente, não há capacidade para receber mais passageiros", disse o ministro, apontando casos em que os comboios circulam já completamente cheios, como sucede nas zonas suburbanas de Lisboa e do Porto ou nas ligações Porto-Lisboa.

Uma "dimensão nacional" de um passe destes teria de ser "conjugada" com os passes que já existem e com "a compensação devida à CP", disse ainda o governante.

Pedro Nuno Santos lembrou que entre as medidas de mitigação do aumento dos preços dos combustíveis e da generalidade dos preços se inclui a manutenção do preço dos passes urbanos e das viagens CP em 2023, uma medida que terá um custo orçamental de cerca de 66 milhões de euros e que chegará a 1,2 milhões de passes mensais.

Últimas Notícias
Mais Vistos