À conquista de Marte

Investigadores portugueses vão participar em missão simulada a Marte

Deserto de Negev

Simulação será feita no deserto israelita de Negev.

Investigadores do Instituto Superior Técnico (IST) vão participar, através do desenvolvimento de dispositivos robóticos, na simulação de uma missão humana e robótica a Marte no deserto de Negev, Israel, prevista para 2020, indicou hoje o coordenador da equipa portuguesa.

Os dispositivos a desenvolver pelos investigadores portugueses visam melhorar a eficácia da exploração do planeta feita por um robô na ausência de contacto visual com o astronauta isolado numa base e evitar acidentes que inutilizem o equipamento, explicou à Lusa o coordenador do grupo de investigadores do IST, Rodrigo Ventura.

Durante um mês, entre 15 de outubro e 15 de novembro de 2020, um grupo de pessoas vai assumir o papel de astronautas e estar numa base no deserto de Negev, que "simula o ambiente em Marte" e de onde as comunicações serão feitas para um "centro de controlo" em Innsbruck, na Áustria.

Para reduzir o risco de os astronautas num "ambiente hostil" como Marte - onde, na vida real, estariam expostos a amplitudes térmicas extremamente elevadas, a radiação cósmica, a meteoritos e a tempestades de poeira - são usados robôs telecomandados para a "execução de pequenas tarefas", adiantou Rodrigo Ventura, investigador do Instituto de Sistemas e Robótica do IST.

A "teleoperação" dos robôs fica, no entanto, "complicada" quando os astronautas não têm contacto visual com as máquinas a partir da base e a "perceção da situação" no terreno "fica deficiente", comprometendo o desempenho do robô.

"Andamos a estudar a tecnologia para melhorar essa perceção", assinalou o investigador.

A equipa do IST vai trabalhar em colaboração com a Universidade de Graz, na Áustria, que irá construir o robô.

Ao todo, na missão simulada a Marte AMADEE-20 serão feitas 16 experiências, a cargo de nove países, que incluem, além da tecnologia, áreas como medicina, biologia e geologia.

A AMADEE-20 envolve a Austrian Space Forum, instituição austríaca que tem conduzido simulações de expedições a Marte e que selecionou as experiências, a agência espacial israelita e a empresa D-Mars, também de Israel.

Lusa