Afeganistão

Afeganistão. Aviões militares de França e Alemanha retiram pessoas de Cabul

Shekib Rahmani

Macron enfatiza que a "urgência absoluta" com a queda de praticamente todo o Afeganistão nas mãos dos talibãs é retirar os franceses restantes. A Alemanha enviou soldados para o país para criar condições para que as pessoas "efetivamente tenham a possibilidade de chegar ao aeroporto" e especificou que "essa foi a principal tarefa" na segunda-feira.

Dois aviões militares, um francês e um alemão, realizaram uma primeira retirada de pessoas do aeroporto de Cabul, no Afeganistão, anunciaram esta terça-feira as autoridades dos dois países europeus.

Um avião militar francês realizou na madrugada desta terça-feira uma primeira retirada de pessoas do aeroporto de Cabul no que pretende ser "uma ponte aérea" para tirar do país os franceses ainda presentes e os civis afegãos que colaboraram com o seu exército entre 2001 e 2014.

"Lançamos as bases para uma ponte aérea entre Cabul e Abu Dhabi", disse a ministra da Defesa francesa, Florence Parly, numa entrevista à rádio RTL, referindo que novos voos poderão ser organizados nos próximos dias.

A França enviou dois aviões militares para a sua base nos Emirados Árabes Unidos para organizar o repatriamento das "várias dezenas" de franceses que permanecem no Afeganistão e dos afegãos que trabalharam para as suas forças armadas durante a missão internacional naquele país.

Parly não quis dar uma estimativa de quantos afegãos poderiam chegar a França desta forma, considerando que seria prematuro, mas disse que o seu país não esperou até ao último minuto e que nos últimos anos já houve "várias centenas" de pessoas que saíram do país.

Desde que o Presidente francês, Emmanuel Macron, encomendou em 2018 a revisão da situação de alguns daqueles ex-colaboradores dos seus militares (como intérpretes, motoristas ou cozinheiros) e as suas famílias, mais de 200 pessoas chegaram à França.

Num discurso na segunda-feira à noite, Macron enfatizou que a "urgência absoluta" com a queda de praticamente todo o Afeganistão nas mãos dos talibãs é retirar os franceses restantes e aqueles que trabalharam para os militares franceses para fora do país.

O Presidente francês também anunciou uma iniciativa com a Alemanha e outros países europeus para evitar "fluxos migratórios irregulares" de afegãos que correm o risco de ocorrer em consequência da desestabilização do país.

Por outro lado, o primeiro avião de transporte militar A400M do exército alemão conseguiu pousar no aeroporto de Cabul na noite de segunda-feira para retirar um primeiro pequeno grupo de pessoas, confirmou esta terça-feira a ministra da Defesa alemã, Annegret Kramp-Karrenbauer.

"Tínhamos muito pouco tempo e por isso só levamos quem estava realmente no local. E ontem (segunda-feira) não puderam estar em maior número no aeroporto devido à situação caótica", disse a ministra, em declarações à televisão pública ARD.

Segundo relatos dos meios de comunicação, o avião conseguiu retirar apenas sete pessoas, embora a ministra não tenha confirmado o número.

"Temos uma situação muito confusa, perigosa e complexa no aeroporto, principalmente devido à multidão. Ontem (segunda-feira) conseguimos aterrar a nossa aeronave", descreveu Annegret Kramp-Karrenbauer.

A ministra disse que a Alemanha enviou soldados para o Afeganistão para criar condições para que as pessoas "efetivamente tenham a possibilidade de chegar ao aeroporto" e especificou que "essa foi a principal tarefa" na segunda-feira.

Kramp-Karrenbauer falou de dois cenários possíveis. O primeiro, que o aeroporto poderia ser mantido aberto apenas por um curto período de tempo e onde a Alemanha tem "forças robustas". No segundo cenário, que junto com os norte-americanos, seja possível organizar um corredor aéreo nos próximos dias, para o qual a Alemanha disponibilizou 600 soldados. O importante agora é organizar as coisas de forma que tanto cidadãos alemães, funcionários locais e pessoas ameaçadas possam ser retiradas e também ajudar outras nações.

SITUAÇÃO NO AEROPORTO DE CABUL A ESTABILIZAR, TALIBÃS PREPARAM-SE PARA FORMAR GOVERNO. ACOMPANHE AQUI AO MINUTO

VEJA TAMBÉM:

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros