Afeganistão

Talibã não admitem extensão do prazo da retirada militar e dizem que 31 de agosto é a "linha vermelha"

Pressionado pelos Aliados, Presidente dos Estados Unidos admite alargar o prazo para retirar as forças militares do Afeganistão.

Os talibã exigem que Joe Biden cumpra o prazo anunciado e que as tropas norte-americanas sejam retiradas do Afeganistão até dia 31 de agosto.

Um porta-voz dos talibã disse, esta segunda-feira, que estender além do final de agosto os esforços dos países aliados para retirar pessoas do Afeganistão representa uma "linha vermelha" e provocaria "uma reação".

Desde que os talibã entraram em Cabul, há uma semana, milhares de pessoas reuniram-se perto do aeroporto internacional da capital para tentar sair do país antes de 31 de agosto, data fixada pelo Governo dos Estados Unidos para a retirada final das suas forças no Afeganistão.

Diante do caos da retirada e sob pressão dos aliados, Joe Biden indicou considerar manter os soldados no país além desse prazo, referindo haver "discussões em andamento" sobre o assunto.

Boris Johnson deverá defender esta terça-feira, junto dos Estados Unidos, na cimeira virtual do G7 dedicada ao Afeganistão, uma extensão das operações de retirada em Cabul. Também a França deverá aproveitar a cimeira para pressionar no mesmo sentido.

No aeroporto de Cabul agrava-se a cada dia a situação humanitária das cerca de 6 mil pessoas que ali se encontram, algumas há oito dias, sob um sol escaldante, praticamente sem água e sem comida.

Veja também:

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros