Afeganistão

Afeganistão. Serviços de inteligência afirmam que há ameaças sérias de ataques terroristas

Os EUA e o Reino Unido apelam às pessoas que não se desloquem para o aeroporto de Cabul.

A situação no Afeganistão está cada vez mais tensa. Vários países, incluindo os Estados Unidos e o Reino Unido, apelam às pessoas que não se desloquem para o aeroporto de Cabul. Os serviços de inteligência dizem que há ameaças sérias e credíveis de ataques terroristas.

Os alertas foram difundidos nas últimas horas, ainda sem muitos pormenores. Confirmam que a situação no aeroporto da capital afegã está cada vez mais perigosa.

O Presidente Joe Biden, que confirmou que o prazo para a retirada de cidadãos do Afeganistão iria manter-se até à próxima terça-feira, já tinha alertado que a ameaça de ataques de militantes ligados ao Daesh. Mas, apesar dos avisos, milhares de pessoas continuam concentradas no aeroporto, onde alimentam a esperança de fugir – uma hipótese que é cada vez mais remota.

Vários países já anunciaram o fim das operações de resgate, ainda que antes do prazo terminar. França e Holanda confirmaram a suspensão dos voos nas próximas horas, a Bélgica deu por terminado o processo de evacuação.

Até agora, mais de 95 mil pessoas foram resgatadas do Afeganistão, mas muitas ficarão certamente para trás. A Casa Branca garante que está a trabalhar num plano para retirar mais cidadãos depois do dia 31 de agosto – o dia que constituiu a “linha vermelha” dos talibã.

► VEJA MAIS:

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros