Afeganistão

As incertezas no Afeganistão têm uma data: 1 de setembro

A data da saída dos militares estrangeiros está prevista para 31 de agosto e os cidadãos não sabem o que irá acontecer depois.

Os talibã e as forças internacionais estão a travar o acesso de mais afegãos ao aeroporto de Cabul, para onde ainda recaem todas as atenções.

Na cidade, vivem-se momentos de extrema incerteza sobre como será o dia a seguir à saída das tropas estrangeiras. Quem pode, pega no que tem e foge por qualquer fronteira.

O mundo está de olhos postos no aeroporto de Cabul, mas na capital afegã há incertezas do tamanho de seis milhões de pessoas.

Quase todos os bancos estão ainda fechados desde a chegada dos talibã à cidade e as filas para o multibanco são longas.

Não é só pelo aeroporto de Cabul que muitos tentam, em desespero, partir. Na fronteira com o Paquistão, milhares de afegãos estão também em fuga.

As tropas paquistanesas só deixam entrar quem tem documentos em dia. Os cidadãos que o regime talibã proibiu de saírem do país também não passam.

► VEJA MAIS:

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros