André Ventura

André Ventura vinca que não haverá acordo parlamentar com o Chega em caso de maioria de direita

24.01.2022 01:13

O presidente do partido Chega, André Ventura, intervém durante uma ação de campanha para as eleições legislativas 2022, na Póvoa do Varzim, 23 de janeiro de 2022. A 30 de janeiro mais de 10 milhões de eleitores residentes em Portugal e no estrangeiro constam dos cadernos eleitorais para a escolha dos 230 deputados à Assembleia da República. RUI MANUEL FARINHA/LUSA

Presidente do Chega insistiu que acima dos 7% exigirá presença governativa.

O presidente do Chega, André Ventura, reafirmou hoje que, num caso de maioria de direita, “acordo parlamentar, nunca haverá”, frisando que isso não quer dizer que o partido “inviabilize” um possível Governo.

“Acordo parlamentar, nunca haverá. Não vou voltar atrás nisso”, disse Ventura, no final de uma reunião em Braga.

O líder do Chega insistiu que acima dos 7% exigirá presença governativa e, caso fique abaixo dos 7%, “não haverá acordo nenhum”.

“Mas isso não quer dizer que se inviabilize tudo”, acrescentou.

Depois de no início da campanha ter atacado por várias vezes os seus potenciais parceiros à direita, hoje André Ventura realçou que há “uma viragem que ninguém esperava há dois meses”, sendo que a possibilidade de uma maioria de direita obriga todos os partidos a estarem “à altura dessas circunstâncias”.

“Que a campanha continue, com a força e intensidade que tem tido, mas com a preocupação de não se queimarem pontes definitivamente, porque essas pontes podem ser fundamentais já a seguir ao dia 30”, referiu.

O presidente do Chega salientou ainda que, face às presidenciais, em 2021, sente uma “clara diferença em relação à atitude e abertura” por parte das pessoas nas ações de rua.

A hostilidade “que se sentia nas presidenciais, com manifestações todos os dias contra” o partido já não é a mesma, registando “alguma hostilidade, mas que faz parte da democracia”.

“[A hostilidade] não é significativa do número de apoio que encontramos nas ruas”, notou.

SAIBA MAIS:

ESPECIAL ELEIÇÕES LEGISLATIVAS

Últimas Notícias
Mais Vistos