Coronavírus

Irão confirma 92 mortes e 2.922 casos do novo coronavírus no país

Vahid Salemi

A maioria dos casos registados nos outros países do Médio Oriente estão ligados ao Irão.

Especial Coronavírus

As autoridades do Irão elevaram hoje para 92 o número de mortos pelo novo coronavírus no país, onde há 2.922 casos confirmados de infeção.

O porta-voz do Ministério da Saúde, Kianoush Jahanpour, anunciou hoje os novos números numa conferência de imprensa em Teerão.

Atualmente, existem mais de 3.140 casos do novo vírus no Médio Oriente. Os casos registados nos outros países desta região estão, na sua grande maioria, também ligados, direta ou indiretamente, ao Irão.

O surto de Covid-19, que pode causar infeções respiratórias como pneumonia, provocou mais de 3.100 mortos e infetou mais de 90.300 pessoas, em cerca de 70 países e territórios, incluindo cinco em Portugal.

Das pessoas infetadas, cerca de 48 mil recuperaram, segundo autoridades de saúde de vários países.

Além dos mortos na China, onde o surto foi detetado em dezembro, há registo de vítimas mortais no Irão, Itália, Coreia do Sul, Japão, França, Hong Kong, Taiwan, Austrália, Tailândia, Estados Unidos da América, San Marino e Filipinas.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou o surto de Covid-19 como uma emergência de saúde pública internacional de risco "muito elevado".

Veja também:

MAPA INTERATIVO MOSTRA EM TEMPO REAL OS PAÍSES AFETADOS PELO CORONAVÍRUS

A Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, criou, em conjunto com outras entidades, um mapa interativo que permite acompanhar a evolução do coronavírus no mundo.

  • 2:37
  • Marcelo Rebelo de Sousa: aprender a perder para depois ganhar o país

    Presidenciais

    Marcelo Rebelo de Sousa foi um predestinado. Nasceu e cresceu à boleia da ditadura, mas a sua luta foi pela democracia. Parecia não alimentar a vontade de alcançar altos cargos políticos e chegou mesmo a invocar o nome de Deus em vão: "Nem que Cristo desça à Terra!", dizia Marcelo. Declarou também que dez anos como Presidente da República era muito tempo. Mas ei-lo de novo a contrariar-se e a seguir o caminho que já lhe vinha a ser apontado.

    Ana Luísa Monteiro