Coronavírus

Grande Prémio do Barhein de Fórmula 1 realizado sem público

Thaier Al-Sudani

Segunda prova do Mundial de Fórmula 1 está prevista para 22 de março.

Saiba mais...

O Grande Prémio do Barhein de Fórmula 1 vai ser disputado sem público, para conter a propagação do surto de Covid-19, anunciaram hoje os organizadores.

A segunda prova do Mundial de Fórmula 1 está prevista para 22 de março e vai ser corrida à porta fechada, mas não será adiada como aconteceu com o Grande Prémio da China, marcado para 19 de abril, mas que será disputado em data a anunciar.

A decisão de disputar a corrida sem público enquadra-se nas "medidas agressivas de distanciamento social" que estão a ser usadas no Bahrein para evitar a propagação do Covid-19.

"Tendo em conta a contínua propagação do Covid-19 a nível global, organizar um evento desportivo de larga escala, que é aberto ao público e que permite que milhares de espetadores estrangeiros e adeptos locais interajam em proximidade, não seria a melhor coisa a fazer neste momento", referiram os oraganizadores, em comunicado.

O Mundial de 2020 do Mundial de Fórmula 1 arranca em 15 de março, com o Grande Prémio da Austrália, em Melbourne.

O surto de Covid-19, detetado em dezembro, na China, e que pode causar infeções respiratórias como pneumonia, provocou cerca de 3.600 mortos e 105 mil pessoas infetadas numa centena de países e territórios.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros