Coronavírus

Autoridades chinesas ocultaram informações essenciais sobre o novo coronavírus

YUAN ZHENG

Médicos chineses expõem novas informações sobre encobrimento pelas autoridades.

Especial Coronavírus

O hospital chinês onde trabalhava Li Wenliang, o primeiro médico que alertou para os perigos do novo coronavírus e que acabou por morrer, foi o mais atingido pelo surto devido ao ocultar de informações essenciais, revela uma investigação da revista chinesa Caixin.

Entre os 4.000 funcionários que trabalhavam no Hospital Central de Wuhan, 230 morreram devido a infeção pelo Covid-19, a maior taxa de mortalidade entre funcionários de saúde em Wuhan, cidade chinesa que é epicentro do surto.

O chefe de um dos departamentos do Hospital citado pela Caixin, uma das raras publicações independentes na China, culpou as autoridades por colocarem vidas em risco.

"As informações falsas divulgadas por departamentos relevantes [de que a doença era controlável e não era infeciosa entre seres humanos] deixaram centenas de médicos e enfermeiros no escuro, que fizeram tudo ao seu alcance para tratarem pacientes sem conhecerem a doença", apontou o responsável, cujo nome não é identificado pela Caixin.

"E mesmo aqueles que adoeceram não puderam denunciar. Não puderam alertar os seus colegas e o público a tempo, apesar do sacrifício. Essa é a perda e a lição mais dolorosas", disse.

Segundo apurou a revista, o hospital estava sobrecarregado por pacientes com febre desde o início de janeiro. Vários ficaram ao cuidado de médicos não especializados em doenças contagiosas.

Os médicos citados pela Caixin culparam a administração de "incompetência".

O chefe do Partido Comunista no hospital não tinha conhecimentos sobre doenças infeciosas e proibiu os médicos de divulgarem informações críticas para a saúde pública, apurou a revista.

Um documento interno do Hospital Central obtido pela Caixin revelou ainda interferência direta das autoridades municipais de saúde de Wuhan, que tornou difícil para o hospital divulgar casos, sobretudo entre os dias 12 e 17 de janeiro passado, quando os quadros locais do Partido Comunista participaram nas reuniões do órgão legislativo local.

Segundo apurou a Caixin, um funcionário do ministério de Segurança Pública visitou o hospital no dia 12 de janeiro e ordenou que os formulários sobre doenças infeciosas só pudessem ser preenchidos e relatados após consultas com especialistas a nível municipal e provincial, atrasando o processo.

Em 13 de janeiro, Wang Wenyong, chefe do gabinete de controlo de doenças infeciosas do distrito de Jianghan, em Wuhan, ligou para o hospital e pediu que fossem alterados relatórios suspeitos de infeção pelo novo coronavírus, arquivados em 10 de janeiro, para que constassem outras doenças nos ficheiros.

Em resposta, o hospital pediu às autoridades de saúde do distrito que coletassem amostras, mas foram informados que deviam aguardar. A espera durou três dias.

Em 16 de janeiro, após terminarem as reuniões do órgão legislativo local, o centro de controlo de doenças da cidade de Wuhan finalmente foi coletar amostras. Na altura, o hospital tinha 48 casos suspeitos.

As novas revelações ilustram como as autoridades de Wuhan agiram para suprimir informações sobre a doença, que já causou 4.500 mortos e infetou mais de 124 mil pessoas numa centena de países e territórios.

Reportagens anteriormente publicadas pela Caixin apuraram como, em 30 de dezembro passado, Ai Fen, chefe do departamento de emergência do Hospital Central, compartilhou as primeiras análises a pacientes infetados com uma nova "doença misteriosa", através do aplicativo de mensagens instantâneas WeChat, com amigos da faculdade e equipas médicas do hospital, alertando-os para que tivessem cuidado.

Na mesma noite, vários médicos em Wuhan, replicaram o aviso.

As mensagens circularam amplamente ‘online', mas várias pessoas, incluindo Li e outros dois médicos do hospital, foram posteriormente punidos pelas autoridades por "espalharem rumores".

Ai Fen foi convocado pelos supervisores do hospital, em 02 de janeiro passado, e punido por instigar o pânico e "afetar o desenvolvimento geral" de Wuhan, segundo a revista.

No dia seguinte, o Hospital Central pediu a todos os departamentos que vigiassem a equipa de Ai e exigiu que não divulgassem "informações confidenciais" ao público, segundo uma gravação que vazou para o público.

O surto provocou forte descontentamento popular na China, com as redes sociais do país a encherem-se críticas diretas ao regime e apelos por liberdade de expressão, num fenómeno inédito no país asiático, onde ativistas ou dissidentes são frequentemente condenados por "perturbação da ordem pública" ou "subversão do poder do Estado".

SIGA AO MINUTO AS ÚLTIMAS INFORMAÇÕES SOBRE O SURTO DE COVID-19

Veja também:

  • 160 mortes e 7.443 casos de Covid-19 em Portugal

    Coronavírus

    O último balanço da DGS dá conta de 160 mortes e 7.443 infetados com o novo coronavírus em Portugal. Mais 20 óbitos e 1.035 casos em relação a ontem. Nas últimas 24 horas, Espanha registou mais 849 mortes por Covid-19, o valor mais alto num só dia desde o início da pandemia. O balanço de vítimas em território espanhol ascende agora a 94.417 infetados e 8.189 vítimas mortais. Siga aqui ao minuto as últimas informações sobre a pandemia.

    Direto

    SIC Notícias