Coronavírus

Residentes de Macau vão usar vales de consumo para impulsionar a economia

Tyrone Siu

Os vales vão poder ser utilizados entre 1 de maio a 31 de julho.

Especial Coronavírus

Os vales de consumo eletrónicos para os residentes de Macau, num montante global de 2,2 mil milhões de patacas (243 milhões de euros), vão poder ser usados a partir de 1 maio, anunciaram hoje as autoridades.

Macau "está a sofrer um grande impacto decorrente da infeção por novo tipo de coronavírus" devido a uma grande redução do número de visitantes mas também devido à diminuição do consumo por parte dos residentes, "o que faz com que as atividades de comércio e retalho e a restauração tenham sido gravemente prejudicadas", afirmou o porta-voz do Conselho Executivo de Macau, em conferência de imprensa.

Cada vale de consumo, que tem um valor individual de 3.000 patacas (331 euros), será distribuído através do "Macau Pass", um cartão que normalmente permite o pagamento do autocarro, lojas de conveniência, supermercados, restaurantes, entre outros estabelecimentos comerciais.

O prazo de utilização é de três meses, explicou, o porta-voz do Conselho Executivo da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM), André Cheong.

O período de inscrição vai de 18 de março a 8 de abril e o período de levantamento do vale é de 14 a 30 de abril. O período de utilização é entre 1 de maio e 31 de julho, explicou o responsável.

Estes vales de consumo não podem ser utilizados para despesas "com água, eletricidade, gás natural, combustíveis, serviços de transporte fronteiriço, serviços turísticos no exterior e serviços médicos", nem em atividades de jogo em casino, casas de penhoras e intuições bancárias e de seguros, explicou André Cheong.

Haverá um limite diário de gastos de 300 patacas (33 euros) e as autoridades de Macau incentivaram os residentes a utilizar os vales eletrónicos em empresas pequenas, nomeadamente estabelecimentos de restauração ou lojas de necessidades diárias, para impulsionar a economia.

"Quanto aos dados pessoais recolhidos pelos vales eletrónicos do consumo serão gerenciados pela Autoridade Monetária de Macau. O 'MACAU PASS não irá armazenar esses dados e os custos administrativos relacionados serão suportados gratuitamente pelo 'MACAU PASS', portanto, os 2,2 mil milhões de patacas serão colocados totalmente no mercado", assegurou o Governo de Macau, aquando da apresentação do projeto.

Macau, que nas últimas semanas levantou muitas das restrições impostas para combater o novo coronavírus, teve os casinos do território encerrados em fevereiro durante duas semanas.

Com os vistos turísticos da China para Macau suspensos, as empresas do território que vivem sobretudo do turismo chinês sofreram uma forte queda nas suas receitas, com o Governo a estimar um défice de 40 mil milhões de patacas (cerca de 4,5 mil milhões de euro) este ano.

Há 37 dias sem casos novos de infeção, Macau registou dez doentes, tendo todos já recebido alta hospitalar.

Veja também: