Coronavírus

Covid-19: Sindicato quer que tutela requisite estabelecimentos de saúde geridos pelo SAMS

© Regis Duvignau / Reuters

O Sindicato Independente dos Médicos também quer que seja dado um "apoio extraordinário" à manutenção dos contratos de trabalho "em situação de crise empresarial" nos SAMS.

Especial Coronavírus

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) pediu à ministra da Saúde a requisição civil de todos os estabelecimentos de saúde geridos pela direção clínica dos serviços médicos dos bancários, para auxiliar na mitigação da pandemia da doença Covid-19.

De acordo com um ofício enviado, o SIM pediu a Marta Temido que determine a requisição civil de "todos os serviços e estabelecimentos de saúde particulares situados no território nacional geridos" pelo Serviço de Ação Médico-Social do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas (SAMS/SBSI).

O sindicato também solicitou a requisição civil de "todos os trabalhadores de saúde e outros, nomeadamente de prestadores de serviço habituais, indispensáveis" para garantir o funcionamento das unidades de saúde do SAMS/SBSI.

O SIM tinha apelado, em 22 de março, ao SAMS para não encerrar o centro clínico que tem em Lisboa devido às "fortes pressões" que o Serviço Nacional de Saúde tem sentido durante a pandemia da doença provocada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2).

Em 23 de março, o Sindicato dos Médicos da Zona Sul acusou a administração dos serviços médicos dos bancários de irresponsabilidade pelo fecho total dos serviços, aproveitando para "um despedimento coletivo".

A administração do SAMS/SBSI garantiu no mesmo dia que a "melhor solução" encontrada foi a aplicação das "novas regras de regime simplificado de 'lay-off' criadas pelo Governo", para fazer face à propagação da pandemia da covid-19 e garantir a "salvaguarda da segurança e saúde" de profissionais e doentes.

A direção clínica dos serviços médicos dos bancários considerou ainda que o contexto é de uma "situação limite que reduz drasticamente a atividade dos serviços clínicos", todos fechados, mantendo-se apenas a assistência a 26 pessoas internadas no hospital do SAMS, em Lisboa.

O Sindicato Independente dos Médicos também quer que seja dado um "apoio extraordinário" à manutenção dos contratos de trabalho "em situação de crise empresarial" nos SAMS.

De acordo com um ofício enviado ao Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, o SIM pede que seja recusada a "atribuição de apoios imediatos de caráter extraordinário, temporários e transitórios" ao SBSI, uma vez que esses apoios carecem "de fundamentação lícita".

O sindicato quer também que o Instituto da Segurança Social peça "com muita urgência" à Direção-Geral da Saúde (DGS) uma "cópia de todo o expediente ali produzido e recebido, com vista ao encerramento que recentemente terá sido determinado por esta autoridade de saúde pública" em relação às unidades de saúde geridas pelo SAMS.

Veja também:

  • 17:19