Coronavírus

Covid-19: Grécia impõe quarentena em campo de refugiados com duas mil pessoas

Alkis Konstantinidis

Foram detetados 20 novos casos de infeção no campo de Ritsona.

Especial Coronavírus

O Governo grego impôs hoje o confinamento a mais de duas mil pessoas que vivem no campo de refugiados de Ritsona após terem sido detetados 20 casos da Covid-19.

De acordo com o Ministério das Migrações do governo de Atenas, durante os próximos 14 dias fica totalmente proibida a entrada e a saída do campo situado a 75 quilómetros a noroeste da capital grega.

A decisão foi anunciada após ter sido detetado um primeiro caso de Covid-19 numa refugiada de origem africana que deu à luz no hospital Alexandras de Atenas e que se encontrava em Ritsona. O bebé, que nasceu no sábado passado, encontra-se bem de saúde, não apresentando sinais de infeção.

Na quarta-feira, equipas médicas do Departamento Nacional de Saúde Pública fizeram testes a 63 pessoas que tinham estado em contacto com a mulher tendo confirmado 20 casos de contágio até ao momento.

Hoje, as autoridades sanitárias continuam a submeter os refugiados a testes médicos aos 2.200 refugiados que vivem em contentores repartidos pelos três setores do campo de Ritsona.

Organizaões humanitárias pedem a evacuação dos campos de refugiados

A polícia reforçou a segurança do local para impedir entradas e saídas. O governo grego anunciou a criação de espaços para quarentena nos campos, mas as organizações humanitárias receiam uma propagação descontrolada da pandemia e, por isso, pedem a evacuação imediata do centro de refugiados como o de Moria onde estão cerca de 20 mil pessoas.

Em Moria há apenas um quarto de banho para 200 pessoas e uma "torneira com água potável" para cada grupo de 1.300 refugiados", disse hoje o diretor da organização Médicos Sem Fronteiras - Grécia, Vasilis Stravaridis.

"Com estas condições, não existe um plano de organização em caso de contágio, apenas esperança de que isso não aconteça", afirmou o médico sobre o campo de Moria.

O Ministério das Migrações anunciou entretanto outro caso de contágio entre os refugiados do campo que foi instalado em Kilkis, no norte da Grécia.

Trata-se de uma mulher grávida que tinha sido internada no hospital da cidade e que foi submetida ao teste de deteção Covid-19.O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou mais de 905 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram quase 46 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 176.500 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia. O continente europeu, com mais de 490 mil infetados e cerca de 33.000 mortos, é aquele onde se regista o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 13.155 óbitos em 110.574 mil casos confirmados até terça-feira.