Coronavírus

Portugal com 409 mortes e quase 14 mil infetados pelo novo coronavírus

MARIO CRUZ/ LUSA

Relativamente a quarta-feira, em que se registavam 380 mortos, hoje observou-se um aumento de 7,6%.

Especial Coronavírus

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta quinta-feira que Portugal regista um total de 409 mortes e 205 recuperados de Covid-19. De acordo com os últimos dados, há mais 29 vítimas mortais do que na quarta-feira, e 13.956 infetados (mais 815) pelo novo coronavírus.


O relatório da situação epidemiológica, com dados atualizados até às 24:00 de quarta-feira, indica que a região Norte é a que regista o maior número de mortos (224), seguida da região Centro (104), da região de Lisboa e Vale do Tejo (72) e do Algarve, com oito mortos. O boletim dá hoje conta de um óbito nos Açores.


De acordo com os dados da DGS, há 13.956 casos confirmados, mais 815, o que representa um aumento de 6,2% face a quarta-feira.


Das 409 mortes registadas, 265 tinham mais de 80 anos, 88 tinham idades entre os 70 e os 79 anos, 42 entre os 60 e os 69 anos, 10 entre os 50 e os 59 anos e quatro óbitos entre os 40 aos 49 anos.


Das 13.956 pessoas infetadas pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2), a grande maioria (12.783) está a recuperar em casa, 1.173 (menos 38, menos 3,1%) estão internadas, 241 (menos 30, -11,1%) das quais em Unidades de Cuidados Intensivos.


Os dados da DGS, que se referem a 78% dos casos confirmados, precisam que Lisboa é o concelho que regista o maior número de casos de infeção pelo coronavírus SARSCov2 (797), seguida do Porto (776 casos), Vila Nova de Gaia (631), Gondomar (587), Braga (521), Maia (512), Matosinhos (444), Valongo (429), Sintra (334) e Ovar (275).


Desde o dia 1 de janeiro, registaram-se 115.158 casos suspeitos, dos quais 3.801 aguardam resultado das análises.


O boletim epidemiológico indica também que há 97.401 casos em que o resultado dos testes foi negativo. O número de doentes recuperados aumentou para 205 (eram 196).


A região Norte continua a registar o maior número de infeções, totalizando 8.102, seguida da região de Lisboa e Vale do Tejo, com 3.451 casos, da região Centro (1.905), do Algarve (260) e do Alentejo, que hoje apresenta 94 casos.


Há ainda 91 pessoas infetadas com o vírus da covid-19 nos Açores e 53 na Madeira.
A DGS regista 24.708 contactos em vigilância pelas autoridades (menos 227 do que na quarta-feira).


A faixa etária mais afetada pela doença é a dos 40 aos 49 anos (2.483), seguida dos 50 aos 59 anos (2.457), dos 30 aos 39 anos (2.013) e dos 60 aos 69 anos (1.780).


Há ainda 206 casos de crianças até aos nove anos, 351 de jovens com idades entre os 10 e os 19 anos e nas idades entre os 20 e os 29 anos há 1.444 casos.


Os dados indicam também que há 1.284 casos de pessoas com idades entre os 70 e os 79 anos e 1.938 com mais de 80 anos.


Globalmente, há em Portugal 7.994 mulheres infetadas e 5.962 homens.

Casos importados


Segundo o relatório da DGS, 159 casos resultam da importação do vírus de Espanha, 118 de França, 68 do Reino Unido, 43 da Suíça, 42 dos Emirados Árabes Unidos, 29 de Itália, 25 de Andorra, 22 do Brasil, 19 dos EUA, 16 dos Países Baixos, 14 da Austrália, 12 da Argentina, nove da Bélgica, nove da Alemanha, sete da Áustria, cinco do Canadá e quatro da Índia.


O boletim dá ainda conta de três casos importados do Egito, três da Guatemala e outros três de Israel, dois da Irlanda, dois do da Jamaica, dois do Luxemburgo, dois de Malta e outros dois da Tailândia.


Foram ainda importados um caso da Alemanha e Áustria e outro da Alemanha e Irlanda. Há igualmente registo um caso importado de países como Azerbaijão, Cabo Verde, Chile, Cuba, Dinamarca, Indonésia, Irão, Maldivas, Marrocos, México, Noruega, Paquistão, Polónia, Qatar, República Checa, Singapura, Suécia, Ucrânia e Venezuela.


Segundo a DGS, 58% dos doentes positivos ao novo coronavírus apresentam como sintomas tosse, 45% febre, 31% dores musculares, 28% cefaleia, 23% fraqueza generalizada e 17% dificuldade respiratória. Esta informação refere-se a 78% dos casos confirmados.

Regras mais restritivas em vigor

A PSP e GNR começaram às 00:00 de hoje uma operação conjunta para garantir o cumprimento das regras mais apertadas de circulação durante o período da Páscoa e previstas no estado de emergência devido à Covid-19.

Cerca de 35 mil elementos da PSP e da GNR vão estar empenhadas nesta operação, denominada "Páscoa em Casa", e que vai decorrer até às 23:00 de segunda-feira com o objetivo de vigiar o cumprimento das normas do estado de emergência, nomeadamente a proibição de circulação para fora da área de residência, exceto nas situações previstas no decreto, como ir trabalhar.

A PSP vai concentrar-se sobretudo nas principais vias rodoviárias de acesso ao norte e ao sul do país, bem como terminais de transportes e entradas das principais cidades e espaços públicos, como jardins, praças, orlas costeiras e zonas fluviais para evitar aglomerações de pessoas. No âmbito da renovação do estado de emergência, não é permitida a concentração de mais cinco pessoas.

A GNR vai estar particularmente atenta às redes rodoviárias mais importantes de acesso ao Norte e ao Sul e a regiões como a Serra da Estrela e o Algarve.

As duas forças de segurança vão dar igualmente especial atenção às situações de violência doméstica e ao acompanhamento de idosos. Nas últimas duas semanas, a PSP e a GNR têm intensificado as ações de fiscalização de trânsito.

Também durante o período da Páscoa, entre as 00:00 de hoje e as 24:00h de 13 de abril, não são permitidos os voos comerciais de passageiro, estando todos aeroportos nacionais encerrados, à exceção de aterragens de emergência, voos humanitários ou para efeitos de repatriamento.

Portugal, onde os primeiros casos de Covid-19 confirmados foram registados no dia 2 de março, encontra-se em estado de emergência desde 19 de março e até ao final do dia 17 de abril, depois de ter sido prolongado a 3 de abril.

ACOMPANHE AQUI AO MINUTO TODA A INFORMAÇÃO SOBRE A COVID-19

ESPECIAL NOVO CORONAVÍRUS COVID-19