Coronavírus

Papa diz que a Páscoa dá esperança na "hora mais negra"

Vatican Media

Na homilia, o chefe máximo da Igreja Católica comparou os medos atuais com os vividos pelos seguidores de Jesus um dia depois da crucificação.

Especial Coronavírus

O Papa Francisco afirmou este sábado que a Páscoa pode dar esperança às pessoas "na hora mais negra", durante a celebração da missa na Basílica de São Pedro, no Vaticano, vedada aos fiéis por causa da pandemia Covid-19.

Na homilia, o chefe máximo da Igreja Católica comparou os medos atuais com os vividos pelos seguidores de Jesus um dia depois da crucificação.

"Tal como nós, eles enfrentavam o drama do sofrimento, de uma tragédia inesperada que aconteceu de repente. A dor misturou-se com o medo do futuro, e de tudo o que teria de ser reconstruído", comparou.

E acrescentou: "Para eles, tal como para nós, foi a hora mais negra".

A missa da vigília pascal é uma das cerimónias mais evocativas do Vaticano porque os celebrantes entram na basílica escurecida, com exceção de uma vela que o papa transporta simbolicamente, e são depois acesas todas as luzes interiores, num sinal de alegria.

No entanto, esta noite, quando a basílica foi iluminada, o vazio de fiéis foi visível, e os passos do Papa e do seu grupo de acompanhantes eram audíveis no caminho para o altar.

"Esta noite celebramos o direito fundamental que não nos pode nunca ser retirado: o direito à esperança", disse, apelando aos cristãos para "serem mensageiros da vida num tempo de morte".

Durante a vigília pascal, adultos convertidos ao catolicismo são tradicionalmente batizados pelo Papa, mas o distanciamento social exigido para combater a pandemia forçou, este ano a eliminação deste ritual durante a cerimónia.