Coronavírus

Nova Iorque cancela eleições primárias democratas por causa da pandemia

Andrew Kelly

Em vários estados norte-americanos, a decisão tem sido manter as eleições ou adiá-las para os meses de junho e julho.

Especial Coronavírus

O estado de Nova Iorque cancelou hoje, numa decisão inédita, as suas eleições primárias democratas, marcadas para 23 de junho, por causa da pandemia de covid-19.

Os membros democratas do Conselho Eleitoral de Nova Iorque decidiram hoje cancelar a realização no seu estado das eleições primárias que estão a decidir a escolha do candidato que defrontará o republicano Donald Trump, nas presidenciais de 03 de novembro.

O comissário Andrew Spano disse que a decisão decorreu de uma longa reflexão em que foi preponderante a preocupação com a saúde pública, procurando assim evitar os riscos de contágio decorrentes de um ato eleitoral em plena pandemia.

Em vários estados, a decisão tem sido manter as eleições ou adiá-las para os meses de junho e julho, mas o Conselho Eleitoral de Nova Iorque decidiu ser mais radical e abdicar do ato eleitoral.

Também pesou na decisão o facto de o Partido Democrata já ter resolvida, na prática, a questão da escolha do candidato presidencial, depois de todos os outros pré-candidatos terem desistido da corrida eleitoral, permanecendo apenas o nome do ex-vice-Presidente Joe Biden.

O último desistente foi Bernie Sanders, que anunciou há duas semanas o abandono da sua pré-candidatura, alegando não ter já capacidade para ultrapassar os delegados eleitos por Joe Biden.

O estado de Nova Iorque é o epicentro da pandemia de covid-19 nos Estados Unidos, com mais de 17 mil mortes, só na cidade de Nova Iorque.

Os Estados Unidos registam cerca de um milhão de casos de infeção com o novo coronavírus, incluindo mais de 50.000 mortes.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 206 mil mortos e infetou quase três milhões de pessoas em 193 países e territórios.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

Face a uma diminuição de novos doentes em cuidados intensivos e de contágios, alguns países começaram, entretanto, a desenvolver planos de redução do confinamento e em alguns casos, como Dinamarca, Noruega, Áustria, Suíça, Espanha ou Alemanha, a aliviar algumas das medidas.