Coronavírus

Trump afirma que vacina vai estar disponível até final do ano

Joshua Roberts

"Os médicos vão dizer que eu não devia dizer isto. Eu digo o que penso", afirmou Trump.

Especial Coronavírus

O Presidente dos Estados Unidos considerou, no domingo, que uma vacina contra a Covid-19 vai estar disponível até final de 2020.

"Pensamos ter uma vacina até final deste ano", declarou Donald Trump, durante uma emissão especial do canal de televisão Fox News, emitida a partir do Lincoln Memorial, monumento em Washington em homenagem ao 16.º Presidente dos Estados Unidos Abraham Lincoln.

"Os médicos vão dizer que eu não devia dizer isto. Eu digo o que penso", acrescentou.

"Estamos a pressionar (...) vários grupos (farmacêuticos) estão, penso, muito perto", disse.

Questionado sobre como reagiria se outro país tivesse uma vacina antes dos Estados Unidos, Trump respondeu: "É indiferente. Apenas quero uma vacina que funcione".

Estão em curso 100 projetos

Uma centena de projetos de vacina contra a Covid-19 estão em curso em todo o mundo, incluindo uma dezena já em fase de ensaios clínicos, de acordo com dados divulgados pelo instituto de Londres de higiene e medicina tropical (London School of Hygiene & Tropical Medicine).

O Presidente norte-americano, que defendeu, uma vez mais, um regresso prudente, mas "tão rápido quanto possível" à atividade no país, mostrou-se otimista sobre as perspetivas económicas.

O ano de 2021 vai ser "incrível", afirmou Trump, que voltou a defender as decisões que tomou desde o início da epidemia no país.

"Penso que salvámos milhões de vidas", reiterou.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (67.674) e mais casos de infeção (mais de 1,15 milhões) no mundo.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de Covid-19 já provocou mais de 245 mil mortos e infetou mais de 3,5 milhões de pessoas em 195 países e territórios. Mais de um milhão de doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

Face a uma diminuição de novos doentes em cuidados intensivos e de contágios, alguns países começaram a desenvolver planos de redução do confinamento e em alguns casos a aliviar diversas medidas.

ACOMPANHE AQUI AO MINUTO AS INFORMAÇÕES SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19