Coronavírus

Cientista norte-americano diz que foi demitido por alertar sobre hidroxicloroquina

Lindsey Wasson

No mês passado, a Administração de Alimentos e Medicamentos alertou os médicos contra a prescrição daquele químico, exceto em hospitais e estudos de pesquisa.

Especial Coronavírus

Um cientista do Governo dos EUA disse que foi demitido depois de criticar a pressão exercida pelo Presidente Donald Trump para o uso de um medicamento contra a malária no tratamento da covid-19.

Rick Bright, ex-diretor da Autoridade Biomédica de Pesquisa e Desenvolvimento Avançado, um organismo governamental, apresentou esta terça-feira queixa pela forma como foi afastado do seu cargo junto do Gabinete de Conselho Especial, uma agência que recebe e analisa denúncias.

Bright alega que foi transferido para um cargo de menor relevância depois de avisar sobre os riscos do patrocínio que Donald Trump fez para a aplicação de um medicamento usado no tratamento da malária (hidroxicloroquina) nos doentes com o novo coronavírus, nos Estados de Nova Jersey e de Nova Iorque, epicentro da pandemia nos EUA.

O cientista alega na denúncia que os responsáveis políticos do Departamento de Saúde e Serviços Humanos tentaram promover a hidroxicloroquina "como uma panaceia", alinhados com os apelos do Presidente, que usou os seus 'briefings' diários na Casa Branca para recomendar esse químico.

Bright diz ainda que as autoridades de saúde "exigiram que Nova Iorque e Nova Jersey fossem inundadas com esses medicamentos, que foram importados de fábricas no Paquistão e na Índia, sem terem sido inspecionados" pelas entidades competentes.

O cientista alega que sempre se opôs ao amplo uso desse químico, alegando que não existem evidências científicas para recomendar a sua aplicação em pacientes com a covid-19.

No mês passado, a Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA, na sigla em inglês) alertou os médicos contra a prescrição daquele químico, exceto em hospitais e estudos de pesquisa.

Num comunicado enviado nessa altura, a FDA sinalizou relatos de efeitos colaterais cardíacos, em algumas situações fatais, entre doentes com a covid-19 a quem fora administrada a hidroxicloroquina.

Nos Estados Unidos já se registaram mais de 1.100.000 casos de infeção, incluindo mais de 70.000 mortes.

ACOMPANHE AQUI AO MINUTO TODA A INFORMAÇÃO SOBRE A COVID-19