Coronavírus

Aeroporto de Heathrow testa câmaras térmicas e limpeza ultra-violeta

Victoria Jones

Testes vão começar nas próximas duas semanas no terminal 2, usado por alguns dos voos que ligam Londres a Portugal.

Especial Coronavírus

O aeroporto de Heathrow, em Londres, o mais movimentado da Europa, vai testar câmaras para medir a temperatura dos passageiros e luz ultravioleta para desinfetar material para tentar estabelecer normas de segurança durante a pandemia covid-19, anunciou hoje.

O presidente da empresa, John Holland-Kaye, disse hoje perante a comissão parlamentar dos Transportes que o objetivo é testar novas tecnologias que possam ser usadas para estabelecer processos e normas internacionais que reduzam o risco de transmissão do vírus.

As tecnologias consistem no uso de câmaras com tecnologia para o reconhecimento facial térmico, capazes de detetar a temperatura das pessoas, higienização por radiação com ultravioleta de algum equipamento e processos de segurança que eliminem o contacto físico com seguranças.

Os testes vão começar nas próximas duas semanas no terminal 2, usado por alguns dos voos que ligam Londres a Portugal.

"A tecnologia que estamos a testar em Heathrow pode fazer parte da solução", defendeu o executivo.

O aeroporto anunciou na semana passada que o tráfego de passageiros caiu 97% em abril devido às restrições de viagem que resultaram em interrupções da maioria dos voos internacionais.

No primeiro trimestre, a empresa registou um prejuízo de 278 milhões de libras (318 milhões de euros), comparado com um lucro de 132 milhões de libras (151 milhões de euros) no mesmo período do ano passado.

Mais 15 mortes e 480 infetados com Covid-19 em Portugal

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta quarta-feira a existência de 1.089 mortes e 26.182 casos de Covid-19 em Portugal.

O número de óbitos subiu, de ontem para hoje, de 1.074 para 1.089, mais 15 - uma subida de 1,4% -, enquanto o número de infetados aumentou de 25.702 para 26.182, mais 480, o que representa um aumento de 1,9%.

O número de casos recuperados subiu de 1.743 para 2.076, mais 333 do que no dia anterior.

Há 838 doentes internados, 136 encontram-se em Unidades de Cuidados Intensivos.

Mais de 257 mil mortos e mais de 3,6 milhões de infetados em todo mundo

A pandemia de covid-19 já matou 257.687 pessoas e infetou mais de 3.675.860 em 195 países.desde que surgiu em dezembro na cidade chinesa de Wuhan, segundo um balanço da AFP às 11:00.

Pelo menos 1.138.800 pessoas foram consideradas curadas pelas autoridades de saúde.

Os Estados Unidos, que registaram o primeiro morto ligado ao novo coronavírus no final de fevereiro, lideram em número de óbitos e casos, com 71.078 e 1.204.475, respetivamente.

Pelo menos 189.791 pessoas foram declaradas curadas pelas autoridades de saúde dos Estados Unidos.

Depois dos Estados Unidos, o país mais afetado é agora o Reino Unido, com 29.427 mortos e 194.990 casos, seguido por Itália com 29.315 mortos (213.013 casos), Espanha com 25.857 mortos (220.325 casos) e França com 25.531 mortos (170.551 casos).

A China (sem os territórios de Hong Kong e Macau), onde a epidemia começou no final de dezembro, contabilizou 82.883 casos (dois novos entre terça-feira e hoje), incluindo 4.633 mortos (nenhuma nova) e 77.911 curados.

Até às 11:00 de hoje, a Europa totalizou 148.068 mortos para 1.609.203 casos, Estados Unidos e Canadá 75.199 mortos (1.266.435 casos), América Latina e Caraíbas 15.413 mortos (286.837 casos), Ásia 9.754 mortos (259.469 casos), Médio Oriente 7.220 mortos (196.826 casos), África 1.909 mortes (48.897 casos) e Oceânia 124 mortos (8.202 casos).