Coronavírus

Vendas da H&M caem 57% nos dois últimos meses

TT News Agency

H&M teve que fechar 80% das suas lojas.

Especial Coronavírus

As vendas da cadeia de moda H&M caíram 57% entre 1 de março e 6 de abril, calculadas em moedas locais e em termos homólogos, devido à pandemia da covid-19, revelou esta quinta-feira a multinacional sueca.

Em meados de março, a H&M teve que fechar 80% das suas lojas por causa das restrições impostas pelos diferentes governos, embora, desde abril, tenha iniciado a abertura de algumas delas mas de forma progressiva, sendo que atualmente tem fechadas 60% das 5.061 que possui, refere a cadeia de moda em comunicado.

Entre os seus principais mercados, as vendas registaram uma maior queda em Itália (80%) e Espanha (76%), enquanto nos Estados Unidos diminuíram em 71%, no Reino Unido caíram 60%, na Alemanha quebraram 46% e na China tiveram uma queda de 32%.

Já as vendas pela internet nos últimos dois meses do segundo trimestre do ano fiscal (março a maio) aumentaram 32% na comparação com igual período do ano anterior.

Para compensar a queda nas vendas, a empresa sueca tomou várias medidas em relação à compra de produtos, investimentos, alugueres, entre outros, se bem que não serão suficientes, pelo que no final do segundo trimestre a multinacional apresentará prejuízos, lê-se no comunicado.

Em 30 de abril, o valor do inventário acumulado da H&M estava contabilizado em 3.854 milhões de euros.

A H&M referiu ainda que a sua liquidez "é boa" e que possui em dinheiro e em linhas de crédito não utilizadas nessa data 2.237 milhões de euros.

Em abril, a empresa sueca revelou que teve um lucro de 181 milhões de euros no primeiro trimestre do ano fiscal (dezembro a fevereiro), um acréscimo de 140% em relação ao mesmo período do ano anterior, mas alertou para o facto de que o resultado no segundo trimestre seria "muito negativo".

ACOMPANHE AQUI AO MINUTO AS INFORMAÇÕES SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

ESPECIAL CORONAVÍRUS