Coronavírus

Wuhan quer testar 11 milhões de pessoas em 10 dias

Profissionais de saúde testam professoras à Covid-19, numa escola em Yichang, na China.

CHINA DAILY

De acordo com os meios de comunicação estatais chineses, a cidade está a elaborar um plano para realizar testes em toda a população.

Especial Coronavírus

Foi ali que o vírus foi detetado pela primeira vez. Agora, depois de meses de confinamento, os cidadãos de Wuhan começam a regressar às ruas da cidade, mas assistem ao aparecimento de novos focos de infeção pelo novo coronavírus.

Em resposta, as autoridades anunciaram que estão a começar a desenhar um plano para testar os 11 milhões de residentes. Para já, foi pedido a todos os distritos que enviem sugestões sobre como realizar esses testes em 10 dias.

De acordo com o jornal chinês The Paper, que cita um documento interno entretanto divulgado, cada um deles é responsável por elaborar o seu próprio plano, com base no tamanho da população, e se há, ou não, um surto ativo no distrito.

O documento, que se refere ao plano como a "batalha de 10 dias", também diz que as pessoas mais velhas, e as comunidades densamente populacionais, devem ter prioridade na realização dos testes à Covid-19.

No entanto, várias autoridades de saúde, citadas pelo jornal Global Times, consideram que testar toda a cidade é, não só, inviável, como muito caro.

Peng Zhiyong, diretor da unidade de cuidados intensivos do Hospital Zhongnan, da Universidade de Wuhan, entende que o mais correto seria testar os profissionais de saúde, grupos de risco e cidadãos que tenham tido contatos próximos com um caso confirmado.

Já um outro diretor da Universidade de Wuhan lembra que uma grande porcentagem da população de Wuhan - cerca de 3 a 5 milhões - já foi testada, pelo que será execuível testar os 6 a 8 milhões que faltam, em 10 dias.

Wuhan quer testar 11 milhões em 10 dias

Wuhan quer testar 11 milhões em 10 dias

ANTÓNIO COTRIM

Wuhan tem, neste momento, os olhos de todos os países sobre si, o que coloca as autoridades locais sob enorme pressão. Não permitir que a primeira cidade a entrar em confinamento possa ter de recuar ao início da crise passou a ser uma prioridade para o Governo chinês.

As sete personalidades mais poderosas da China, no Comité Permanente do Politburo, reuniram-se na semana passada para discutir a melhoria do sistema de alerta precoce do país para surtos como este.

  • 0:43